Instituto Histórico

Boa parte de nossa história e da Baixada Fluminense começou a ser recuperada pela própria necessidade dos pesquisadores de conhecerem melhor o passado de Duque de Caxias.

O interesse do público, que freqüentava a antiga Biblioteca José do Patrocínio, localizada no terceiro andar do prédio da Câmara, no início da década de 70, fez surgir, em 31 de janeiro de 1973, o Instituto Histórico, órgão anexo à Câmara Municipal. No dia 11 de dezembro de 1980, através da resolução 494, o Instituto recebeu o nome de Vereador Thomé Siqueira Barreto. Para saber mais sobre Vereador Thomé Siqueira Barreto, clique aqui.

instituto

Com três décadas de existência, o Instituto Histórico guarda, em seu acervo, um verdadeiro tesouro que conta um pouco da nossa história e da Baixada. São cerca de 6 mil reproduções fotográficas, mil documentos, 680 livros/periódicos, 1.700 jornais e 85 quadros.

Também podemos encontrar um castiçal e uma imagem de Santo Antônio, remanescentes da antiga Igreja São João Batista de Traiaponga (hoje Santa Terezinha, no Parque Laifaiete). Fotos da chegada da água encanada em Duque de Caxias, a construção da Fábrica Nacional de Motores (FNM), a visita de Juscelino Kubitschek à Reduc e o Código de Postura da Vila Estrela de 1846, constituem-se em documentos nobres conservados em nosso acervo.

Objetivo é resgatar e divulgar nossos valores

Atualmente, no conjunto do acervo do Instituto Histórico, estão sendo desenvolvidas atividades de preservação, realizando–se um trabalho sistemático e integrado de conservação e processamento técnico das obras, objetivando a catalogação precisa e, sobretudo, a salvaguarda das mesmas.

O Instituto Histórico tem uma importante proposta, nos dias de hoje, que é PRESERVAR o acervo evitando danos que poderiam ser causados à documentação pelo tempo e, principalmente, pela ação do homem, aumentando a vida útil do documento.

Com o propósito de lutar pela preservação e divulgação da cultura da região, o Instituto Histórico lança periodicamente a Revista “Pilares da História”, com o apoio da Associação dos Amigos do Instituto Histórico. A revista mostra as transformações culturais, sociais e econômicas ocorridas na Baixada, ao longo dos anos. A publicação, de cunho acadêmico, é doada aos interessados e às instituições culturais e históricas do município e da região.

O Instituto realiza regularmente eventos em datas importantes e promove exposições de artes plásticas, além de incentivar a apresentação de pecas no Teatro Procópio Ferreira, da Câmara Municipal.

A Associação dos Amigos do Instituto Histórico tem sido um importante elo entre o Instituto e a comunidade, contribuindo no processo de divulgação de nossa história.

Aberto de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, o Instituto Histórico, que funciona no subsolo da Câmara, é fonte obrigatória de estudo para alunos, professores e historiadores. Por ano, cerca de 5 mil pessoas visitam o espaço, entre visitantes e pesquisadores.

acervo1

Travessa de porcelana das Índias Ocidentais da Fazenda dos Telles Barreto de Menezes – século XIX

A travessa foi doada, em 1974, ao Instituto Histórico por seu bisneto Romeu Menezes dos Santos, professor das redes estadual e municipal de ensino. A peça de 50 centímetros de comprimento por 30cm de largura retrata, em pintura azul marinho, o cotidiano, as pessoas, a natureza e a arquitetura, configurando-se numa importante peça da época do período colonial. Atualmente, nas terras da antiga Fazenda do Telles funciona um colégio.

acervo2

Castiçal e imagem de Santo Antônio

(Igreja São João Batista de Trairaponga)
A partir de 1647 começou a ação cristianizadora na região de Meriti, sendo erguida a Cruz de Cristo no povoado de São João Batista de Trairaponga, marcando o início de um trabalho religioso. Atualmente, no local, encontra-se a Igreja de Santa Terezinha, situada no Parque Lafaiete, Duque de Caxias. Estima-se que o castiçal e imagem de Santo Antônio possam ser remanescestes deste período.

acervo3

Roupas e objetos de Joãosinho da Goméa: décadas de 50/60/70

Na mostra permanente do Instituto Histórico são exibidas peças pertencentes a Jãosinho da Goméa, como o troféu do Terreiro Ogum Niger ao Termo Sol Oriente, de 1979. Há também uma guia de santo – usada nas sessões de candomblé -, e uma de xícara de chá, pires e um prato de sobremesa, de 1959. O espaço também preserva um disco gravado por Joãosinho e roupas utilizadas nos cultos, que atraíam aproximadamente 6 mil pessoas. Ademar de Barros, Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek eram algumas das personalidades que freqüentavam as sessões públicas promovidas pelo pai-de-santo.

acervo4

Farda e medalhas do Dr. Moacyr
Rodrigues do Carmo – II Guerra Mundial

Estudante de Medicina, na década de 40, Moacyr Rodrigues do Carmo foi designado para servir na Força Expedicionária Brasileira (FEB), durante a II Guerra Mundial. No dia 2 de julho de 1944, seguia para Nápoles, Itália, o primeiro escalão da FEB. Em fevereiro de 1945, o Brasil tinha em solo italiano mais de 25 mil homens.

acervo5Junto com a FEB, surgiu também o primeiro Grupo de Caça, esquadrão aéreo composto de 42 oficiais, pilotos e 400 homens de apoio, com 28 aviões. No dia 15 de setembro de 1944, osbrasileiros entram em confronto no vale do Rio Pó, onde ocorreram as batalhas do Monte Castelo, Montese e Collecchio.

Na guerra, morreram 430 praças e 21 oficiais, sendo que os feridos chegaram a quase 3 mil. Segundo registros, 34 praças e um oficial foram feitos prisioneiros e 23 praças foram dados como desaparecidos. No mundo, o conflito matou mais de 30 milhões de pessoas.

A boina, a farda e as medalhas de eficiência, honra e lealdade, Cruz de Combate e a Medalha de Campanha da FEB relembra um pouco da presença humana num cenário de intolerância.

acervo6

Revista “Terra Fluminense” – 1924

A redação da empresa funcionava no antigo Estado do Rio de Janeiro, em Niterói , na Rua Regente Feijó, 62. Em uma de suas edições, o diretor e proprietário Ramiro Gonçalves destacou um ano de administração do prefeito de Nova Iguassú, Sebastião de Arruda Negreiros. Em outra manchete, a revista enfatiza o fracasso do smoking feminino em Paris, enquanto que no Brasil o modelo foi considerado um sucesso.

acervo7(1)

Jornal “Correio de Iguassú” – 1931

Sob o comando de Sylvio Goulart, o “Correio de Iguassú” foi um dos primeiros jornais que circularam na região. Com forte conteúdo político, o impresso mencionou o projeto de lei eleitoral e exaltou a figura de Getúlio Vargas. Como nos dias atuais, as doenças sexualmente transmissíveis também preocupavam as autoridades e tinha espaço na mídia. Na década de 30, a fundação Graffré Guinle registrou 93.336 consultas de doenças venéreas, 2.486 de sífilis e 6.113 de gonorréia. A informação está na edição de 20 de setembro de 1931 do jornal.

acervo8

Chegada da água em Duque de Caxias

A primeira gota do precioso líquido chegou em Meiti no dia 13 junho de 1916, através do então presidente da província do Rio de Janeiro, Dr. Nilo Peçanha. Após entregar o prêmio de destaque na produção de frutas a Antônio Telles de Bittencourt, no atual Parque Lafaiete, o presidente ficou impressionado com a falta do líquido e mandou instalar a primeira bica d’água na região. A água, que vinha de Vigário Geral, chegou à esquina da Rua Joaquim Lopes de Macedo com Plínio Casado, próximo à estação ferroviária.

acervo9Após a emancipação em 1943, Duque de Caxias começou a crescer de forma progressiva. A continuidade do progresso dependia da instalação de uma rede d’água e não apenas de uma bica. Depois de muitas promessas, finalmente, em 1960, o governador do Rio, Roberto Silveira, inaugurou a água encanada na Praça do Pacificador. A instalação da água tornou-se um importante marco de desenvolvimento local.

acervo10

Selo em homenagem ao bicentenário do Duque de Caxias

Para comemorar o bicentenário de nascimento de Luiz Alves de Lima e Silva, a Câmara Municipal de Duque de Caxias, em parceria com os Correios, lançou, no dia 27 de agosto de 2003, em sessão solene, um selo em homenagem a seu patrono.

O selo traz em primeiro plano, a imagem de Duque de Caxias tendo, à frente, a espada entrelaçada com louros e, ao fundo, a imagem da Guerra dos Farrapos, representando mais uma vitória alcançada. Para a confecção da peça, foram utilizadas técnicas de lápis de cor e computação gráfica.

A empresa Brasileira de Correios e Telégrafos imprimiu 3 milhões de selos que foram colocados a venda em todo o território nacional a R$ 0,60. O lançamento na Câmara Municipal de Duque de Caxias foi o segundo feito no Estado do Rio de Janeiro, de apenas quatro no Brasil. A empresa também doou ao Instituto Histórico um álbum com selo, edital de publicação e uma cartilha.

acervo12

Relatórios da Escola Regional de Meriti – “Mate com Angu”

Criada por Armanda Álvaro Alberto no dia 13 de fevereiro de 1921, o colégio foi o pioneiro na América Latina a utilizar o projeto da Escola Nova e da aplicação do método montessoriano, com horário integral. Inovou ao distribuir para os alunos “mate com angu” como merenda, para que os estudantes permanecessem mais tempo na escola. Iniciativa que mereceu elogios dos mais importantes educadores e intelectuais do Brasil.

acervo13

Auto de exumação de Luiz Alves de Lima e Silva

O Instituto Histórico possui cópia do auto de exumação de Luiz Alves de Lima de Silva, o militar mais condecorado do Brasil, nascido no município. O documento destaca a última homenagem do Exército ao marechal que teve seus restos mortais transladados do cemitério da Venerável Ordem Terceira de Paula para o Pantheon, em frente ao Ministério da Guerra. Duque de Caxias nasceu na antiga Vila de Estrela, na Fazenda São Paulo, hoje Museu Municipal, em 25 de agosto de 1803.

acervo14

Código de posturas da Vila de Estrela de 1846

Documento onde constam as principais leis da Vila de Estrela, como tabela de ordenados de seus empregados, pedido de criação da primeira escola de ensino público para meninos e a exigência de diploma para se exercer as profissões de médico, cirurgião ou boticário (farmacêutico). A Vila de Estrela teve importante porto nos séculos XVIII e XIX e ligava a capital do Império, Rio de Janeiro, à região das Minas Gerais.

acervo15

Jornais “O Municipal”, “Folha da Cidade” e “Luta Democrática”

No Instituto Histórico existem vários jornais dos anos 50, que destacaram o cotidiano de uma cidade em formação. Nestes impressos, você vai encontrar a defesa do Jornal Municipal em favor do voto feminino, a campanha da Folha da Cidade em favor da água encanada e as manchetes sensacionalistas da Luta Democrática, além da festa de 25 de Agosto, a fala de Getúlio Vargas à nação, bem como a construção da Igreja Santo Antônio.

Sala de Vídeo

Sala de Vídeo

Vídeos

Com 40 lugares, a Sala de Vídeo do instituto atende, em média, 2 mil alunos por ano. São exibidos vídeos que contam a história de Duque de Caxias e da região, como “Fragmentos da Memória da Baixada Fluminense” e “Terra de Muitas Águas”, entre outros.

Exposições

Os artistas da Baixada têm no Instituto Histórico um local para exibir seus trabalhos. No Salão de Exposição, são promovidas mostras temporárias de pintura, escultura, além de trabalhos literários.

Em suas telas, os artistas retratam igrejas da região, fazendas, prédios, cachoeiras escolas, entre outros temas.

Salão de Exposição

Salão de Exposição

Exposição permanente

Exposição permanente

Roupas e objetos do acervo

Roupas e objetos do acervo

 

 

 

 

Em comemoração aos 60 anos de emancipação político-administrativa do município, a Câmara inaugurou, no dia 10 de dezembro de 2003, a Galeria dos Prefeitos.

São fotos que exibem os chefes do poder Executivo, passando por Homero Lara (interventor), Gastão Reis – o primeiro prefeito eleito através do voto direto, o período da “Área de Segurança Nacional” – que começou em 1971. A exposição também registra a volta das eleições diretas, chegando aos dias de hoje, além dos Presidentes da Câmara e Vice-Prefeitos que assumiram o cargo de Prefeito.

A inauguração do espaço, no Instituto Histórico Vereador Thomé Siqueira Barreto, um dos principais órgãos de pesquisa da Baixada Fluminense, recupera a história política do Executivo do nosso município, servindo de base para estudos de pesquisadores, estudantes, jornalistas, políticos e dos cidadãos em geral.

Prefeitos


p01
HOMERO LARA
De 01/01/1944 a 10/09/1944 (Interventor)
p02
HEITOR LUIZ DO AMARAL GURGEL
1º Mandato: De 11/09/1944 a 01/08/1945 (Interventor)
2º Mandato: De 02/09/1945 a 08/11/1945 (Interventor)

p03
ANTÔNIO CAVALCANTE RINO
De 02/08/1945 a 02/09/1945 (Interventor)

p04
DR. JORGE DINIZ DE SANTIAGO
De 10/11/1945 a 22/03/1946 (Interventor)

p05
GASTÃO GLICÉRIO DE GOUVÊA REIS
1º MANDATO: De 25/03/1946 a 18/10/1946 (Interventor)
2º MANDATO: De 28/09/1947 a 28/12/1950 (Eleito por voto direto)
p06
JOSÉ DOS CAMPOS MANHÃES
De 18/10/1946 a 13/03/1947 (Interventor)

p07
JOSÉ RANGEL
De 19/03/1947 a 31/03/1947 (Interventor)

p08
CUSTÓDIO ROCHA MAIA
De 31/03/1947 a 30/07/1947 (Interventor)

p09
TEN. CEL. SCIPIÃO DA S. CARVALHO
De 01/08/1947 a 28/09/1947 (Interventor)

p10
ADERSON RAMOS
De 28/12/1950 a a 31/01/1951 (Presidente da Câmara)

p11
ADOLPHO DAVID
1º MANDATO: De 31/01/1951 a 06/09/1952 (Presidente da Câmara)
2º MANDATO:De 31/01/1959 a 31/01/1963 (Eleito pelo voto direto)

p12
BRAULINO DE MATOS REIS
De 06/09/1952 a 31/01/1955 (Eleito pelo voto direto)

p13
FRANCISCO CORRÊA
De 31/01/1955 a 15/01/1959 (Eleito pelo voto direto)

p14
JOAQUIM TENÓRIO CAVALCANTI
1º MANDATO:De 15/01/1959 a 31/01/1959 (Presidente da Câmara)
2º MANDATO:De 31/01/1963 a 31/01/1967 (Eleito pelo voto direto)


EUCLIDES DA FONSECA CHAVES
De 06/10/1962 a 06/11/1962 (Diretor Geral da Câmara)

p24
DR. MOACYR RODRIGUES DO CARMO
1º MANDATO: 31/01/1967 a 31/01/1971 (Eleito pelo voto direto)
2º MANDATO: 01/01/1993 a 31/12/1996 (Eleito pelo voto direto)

p16
DR. RUYTER VIDAURRE POUBEL
Vice-Prefeito, governou por 111 dias,  nas licenças solicitadas pelo Prefeito Dr. Moacyr do Carmo

p15
FRANCISCO ESTÁCIO DA SILVA
31/01/1971 - Presidente da Câmara quando o Município de Duque de Caxias foi declarado “Área de Segurança Nacional”

p18
GENERAL CARLOS MARCIANO DE MEDEIROS
De 19/07/1971 a 15/03/1975 (Interventor)

FRANCISCO GOMES FILGUEIRAS
De 26/07/1973 a 01/08/1973 (Assumiu na licença solicitada pelo Prefeito General Carlos Marciano de Medeiros)

p17
CORONEL RENATO MOREIRA DA FONSECA
De 15/03/1975 a 24/04/1979 (Interventor)

p20
CORONEL AMÉRICO GOMES DE BARROS
De 24/04/1979 a 02/05/1982 (Interventor)

p19
HYDEKEL MENESES DE FREITAS LIMA
1º MANDATO: 13/05/1982 a 31/12/1984 (Interventor)
2º MANDATO: 01/01/1989 a 31/12/1992 (Eleito)

p22
JUBERLAN FRANCISCO DE BARROS OLIVEIRA
De 01/01/1985 a 31/12/1988 (Eleito pelo voto direto)

p21
JOSÉ CARLOS LACERDA
De 12/09/1990 a 31/12/1992 (Hydekel transfere o cargo para o Vice ao ocupar vaga no Senado)

p23
JOSÉ CAMILO ZITO DOS SANTOS FILHO
1º MANDATO: De 01/01/1997 a 31/12/2000 (Eleito pelo voto direto)
2º MANDATO: De 01/01/2001 a 31/12/2004 (Eleito pelo voto direto)
3º MANDATO: De 01/01/2009 a 31/12/2012 (Eleito pelo voto direto)
p25
ALEXANDRE AGUIAR CARDOSO
De 01/01/2013 a 31/12/2016 (Eleito pelo voto direto)
p25
WASHINGTON REIS DE OLIVEIRA
1º MANDATO: De 01/01/2005 a 31/12/2008 (Eleito pelo voto direto)
2º MANDATO: De 01/01/2017 a 31/12/2020 (Eleito pelo voto direto)

c1pVila Olímpica

Vista aérea do campo João Gaspar Corrêa Meyer, mais conhecido com “Maracanãzinho”, no bairro Jardim 25 de Agosto, no final da década de 60. Em 1979, a área foi ampliada, sendo inaugurado o Complexo Esportivo com o mesmo nome.
c2p

Inaugurada em 1997, a Vila Olímpica de Duque de Caxias possui aproximadamente 30 mil metros quadrados e dispõe de um moderno ginásio poliesportivo, pista de atletismo, quadra de tênis, área de arremesso, caixa de salto, etc.

c3pc4pAvenida Nilo Peçanha

Vista da Nilo Peçanha, uma das principais ruas do Centro, sendo urbanizada na década de 60.

Em 2003, pedestres caminham sem problemas pela Nilo Peçanha, que tem no comércio o seu forte.

c6c5Praça do Pacificador

Ainda em construção, na década de 70, a Praça do Pacificador, além de servir como área de lazer, abrigou uma rodoviária.

Três décadas depois, o espaço foi ocupado pelos ambulantes e automóveis, na Avenida Presidente Kennedy.

c7c8Prefeitura

Em agosto de 1958, a Prefeitura de Duque de Caxias instala-se no bairro Jardim 25 de Agosto, local da antiga fábrica de macarrão “Tupinambá”, na Praça do Riachuelo, atual Praça Governador Roberto Silveira.

Localizada em frente à Praça Benzo de Cavour, bairro Jardim Primavera, a sede do poder Executivo foi inaugurada no dia 27 de março de 1998.

c10c9Praça Emancipação

Praça da Emancipação na década de 40, tendo em destaque o monumento que simbolizou a autonomia administrativa da cidade.

Reformada em 2003, a praça, que fica situada entre as Ruas Manoel Correia e Joaquim Lopes, ganhou pedras portuguesas e um relógio.

c11

c12

Operários realizam trabalhos de melhoria na praça, colocando paralelepípedos, em frente ao Forte do Sabão.

Concentra um grande fluxo de pessoas, constituindo-se em um dos conjuntos de calçadões do Centro.

c14c13

Praça Roberto Silveira

Vista panorâmica da Praça Governador Roberto Silveira, na década de 90, no bairro Jardim 25 de Agosto.

Tomada aérea da Praça Governador Roberto Silveira, tendo ao centro o prédio sede da antiga Prefeitura.