Teatro

EM OBRAS

 

O movimento

 

A luta por um espaço adequado para as produções cênicas, em Duque de Caxias, vem desde a década de 60. Época em que artistas, políticos, intelectuais e a imprensa cobravam das autoridades a construção de um teatro.

Apesar do clamor popular, o teatro foi esquecido por anos, privando o povo de ter acesso ao lazer.

O descontentamento era traduzido em colunas publicadas no Jornal “Grupo”, feitas por jornalistas e colaboradores como: Ademar Constant, Silas Neves, Olga Teixeira de Oliveira, Nélio Menezes (irmão de Newton Menezes), Francisco Pedro, Eduardo Romero, entre outros.

Por não existir um teatro no município, os espetáculos eram realizados no Clube dos Quinhentos, Recreativo, Aliança e Oriental. Aos poucos, os espaços ampliaram-se às igrejas, cinemas, auditório da Associação Comercial e praças públicas.

Procópio Ferreira (E) e o vereador
Laury Villar na inauguração

 

O teatro

Com a inauguração da sede da Câmara Municipal, no bairro Jardim 25 de Agosto, em 1969, os ventos ,enfim, sopraram a favor da construção de um grande teatro na cidade. Fato que aconteceu em 28 de fevereiro de 1975.

Procópio Ferreira (E) e o vereador Laury Villar na inauguração

Procópio Ferreira (E) e o vereador Laury Villar na inauguração

Treze dias depois, o teatro foi batizado com o nome de Procópio Ferreira, uma homenagem ao grande ator e produtor teatral, através da deliberação nº 1.957, de 1975, assinada pelo presidente da Câmara Luís Braz de Luna. Procópio Ferreira e Bibi Ferreira, sua filha, compareceram ao evento e foram os destaques da festa, ao lado de Nelson Carneiro. Para saber mais sobre Procópio Ferreira.

 

 

 

Rompendo barreiras

Não só de tragédias vivia a Baixada. Em 1978, o estigma do crime é deixado de lado para se enfatizar a arte. Numa segunda-feira do mês de setembro, o apresentador Cid Moreira, da TV Globo, soltou a voz e anunciou um feito fantástico no Jornal Nacional:

“O prêmio Moliére, na categoria especial, vai para Duque de Caxias, com a peça Saco de Canudos”. Para se ter uma idéia desta conquista, também foram contemplados, no mesmo ano, Fernanda Montenegro (melhor atriz) e José Wilker (melhor ator).

“O troféu concedido pela Air France era disputado no eixo Rio-São Paulo, sendo extinto na década de 90″, explica o ator, diretor e figurinista, Ediélio Mendonça, um dos responsáveis pelo montagem vitoriosa.

 

Cultura diversificada e inovadora

Ainda vivendo a efervescência da conquista do Moliére, Ediélio Mendonça assume o Teatro Procópio Ferreira, em 1983. Ele implementa cursos de teatro, formação de platéia (apresentações para estudantes), espetáculos de dança, música e peças teatrais.

A peça “Mar Morto”, obra de Jorge Amado, adaptada por Ediélio, teve grande repercussão em Caxias, em 1999. Nela trabalharam Alex Mello, Edlane Silva, Tom Pires, Nancy Calixto, de um total de 11 atores da Baixada.
teatro_2Ao lançar em 2001, de forma pioneira, o projeto: “A Escola vai ao Teatro”, o diretor descobre um novo público: os estudantes. Só a peça “As Preciosas Ridículas”, exibida de 18 de abril a outubro, do mesmo ano, uma vez por semana, levou 15 mil espectadores ao teatro. O mesmo sucesso aconteceu com “Para Sempre os Poetas”, “Ensaio Geral da República”, de Dalva Lazaroni, e na promoção de festivais de dança.

O Teatro Procópio Ferreira, com 450 lugares fica localizado no quarto andar da Câmara e cerca de 60 mil pessoas passam pelo local por ano, contando com eventos, shows, palestras, assembléias, congressos e seminários.

Nomes consagrados do teatro nacional já pisaram no palco do Procópio Ferreira: Rogéria, Chico Anysio, Sérgio Brito, David Pinheiro, Débora Duarte, Rosa Maria Murtinho, entre outros.

Com quase três décadas de existência, o Teatro Procópio Ferreira, da Câmara Municipal, tem contribuído na promoção da cultura em nossa cidade, sendo um importante fomentador das artes. Muitos jovens que hoje freqüentam os vários palcos da Baixada e do Estado conheceram o teatro através das peças encenadas em Duque de Caxias.

Galeria de Fotos

David Pinheiro no Procópio Ferreira

David Pinheiro no Procópio Ferreira

Peça "Mar Morto"

Peça “Mar Morto”

Peça "Ensaio Geral da República"

Peça “Ensaio Geral da República”

Peça "Ensaio Geral da República"

Peça “Ensaio Geral da República”

Peça "Para Sempre os Poetas"

Peça “Para Sempre os Poetas”

Peça "As Preciosas Ridículas"

Peça “As Preciosas Ridículas”