Datas Comemorativas

datas_1Santo Antônio – O Padroeiro
13 de Junho

Desde 1970, Santo Antônio é o padroeiro oficial de Duque de Caxias, apesar do culto ser anterior à data. A devoção ao santo é tão forte que o município instituiu um feriado para seu culto, ou melhor, o único da cidade: dia 13 de junho. O ato que definiu o feriado veio através da deliberação nº1543, de 16 de abril de 1970, publicada no Boletim Oficial nº517, de 27 de abril de 1970, assinado pelo então prefeito Moacyr Rodrigues do Carmo.

Na cidade, o santo “casamenteiro” tem muito trabalho. A população feminina supera a masculina em 240 mil, segundo dados do IBGE de 2000. Haja pedidos de casamento!

Os cultos são realizados na Matriz da Paróquia de Santo Antônio, localizada na Avenida Presidente Kennedy, no Centro. A igreja foi construída no dia 13 de junho de 1939, no primeiro distrito.

É difícil encontrar uma paróquia sem alguma capela com a sua imagem. No Brasil, são mais de 500 igrejas que o têm como padroeiro. Mas quem foi Santo Antônio?

Fernando de Bulhões nasceu em Lisboa, no dia 15 de agosto de 1195, e recebeu o nome de Antônio quando passou da Ordem de Santo Agostinho para a Ordem de São Francisco em 1220, em Pádua, na Itália. É por isso que ele é conhecido tanto como Santo Antônio de Lisboa quanto como Santo Antônio de Pádua.

Santo Antônio dedicou a vida à religião. De saúde frágil, ele levou uma vida humilde e se sustentou apenas com o necessário. Ao santo são creditados alguns milagres, como o do peixe. Ele fez surgir milhares deles ao pregar para as águas, uma vez que os homens não quiseram ouvi-lo. À beira do Mar Adriático, na foz do Rio Marecchia, o religioso fez surgir milhares de peixes para espanto da população.

Conta-se que alguns pobres bateram à porta do convento onde se encontrava Santo Antônio, na época em que foi eleito provincial dos franciscanos do norte da Itália. Eles estavam famintos e queriam pão. O cozinheiro disse que não poderia atender ao pedido, pois faltaria o alimento para a refeição dos frades.

Santo Antônio ouviu o diálogo e ordenou ao cozinheiro: “Dê pão aos pobres que Deus proverá”. Quando os frades entraram no refeitório, encontraram uma cesta repleta de pães. O milagre foi atribuído a Santo Antônio. Daí a tradição da distribuição do “Pão de Santo Antônio”, às terças-feiras, que representa fartura e prosperidade.

Santo Antônio morreu em Pádua, na Itália, a 13 de junho de 1231, sendo uma figura central da Igreja Católica e do pensamento europeu medieval. Desfrutava de tanto prestígio que, dez meses após o seu sepultamento, foi elevado à glória dos altares. Mais tarde, recebeu o honroso título de Doutor da Igreja. No fim da vida, Santo Antônio pregou três anos na França e pode ter sido ali que se tornou cupido.

O casamenteiro

datas_3

Interior da Igreja de Santo Antônio

datas_2

Igreja de Santo Antônio no centro de Duque de Caxias

datas_4

Folhetinhos de Santo Antônio

Segundo uma lenda portuguesa do século XVII, uma mulher buscava um marido e desesperada com o aparecimento de seus primeiros pés-de-galinha, jogou a imagem do santo pela janela. A estatueta caiu na cabeça de um soldado que passava na rua. Refeito do susto, ele se apaixonou pela mulher e a conduziu ao altar.

Tanto em Portugal como no Brasil, onde a devoção se instalou no período colonial, basta o pretendente demorar a aparecer, que as mulheres submetem a imagem do santo a “castigos”. Retiram o Menino Jesus, que o santo traz no colo, e só o devolvem quando a graça é alcançada. Outras colocam a imagem com o rosto para a parede, amarram-na ao pé de uma mesa ou a mergulham na água de cabeça para baixo, até serem atendidas. Há também as que arrancam o resplendor (coroa luminosa que se coloca nas imagens dos santos) e o substitui por uma moeda.

Santo Antônio é também, conhecido como o santo das coisas perdidas. Para achar um objeto deve-se rezar o Responso (versículos que se rezam ou cantam alternadamente pelos dois coros, depois dos ofícios divinos; oração a um santo para que apareçam as coisas perdidas ou não sucedam males) de Santo Antônio para encontrá-lo.

datas_5Duque de Caxias, o Patrono
25 de agosto

Os atos de bravura e suas estratégias de guerra, em defesa da pátria, fizeram de Luis Alves de Lima e Silva o militar, mais condecorado da história e o único a receber o título de Duque no Brasil. Lima e Silva nasceu no dia 25 de agosto de 1803, na Fazenda São Paulo, arraial de Porto da Estrela (hoje Taquara, Duque de Caxias). As suas vitórias foram consagradoras e sua ascensão meteórica. Aos cinco anos de idade já era cadete de 1º classe, figurando no 1º Regimento de Infantaria do Rio de Janeiro.

Em defesa da nação, ele atuou tanto internamente quanto externamente. Abafou os rebeldes na Guerra da Independência, na Bahia, lutou contra os argentinos, na Guerra da Cisplatina, e pôs fim ao mais longo e sangrento combate do Brasil: a Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do Sul, que durou 10 anos. Mas foi a sua luta na Balaiada, no sertão maranhense, que o militar recebeu a sua maior condecoração.

Após pacificar a Vila de Caxias, Luis Alves de Lima e Silva recebeu uma tríplice coroação: foi homenageado publicamente pelo governo e pelo povo ,promovido a brigadeiro e agraciado com o título de barão de Caxias, com o qual seria conhecido, sendo o mais precioso símbolo de virtudes militares. O título de Barão de Caxias significa: disciplina, administração, vitória, justiça, igualdade e glória.

Dentro do continente travou três batalhas. Uma contra o ditador Rosas, na Argentina, e outra com Oribe, em Montevidéu. Caxias derrotou ambos. Mas a grande batalha de Luis Alves de Lima e Silva foi na Guerra do Paraguai. Francisco Solano Lopes ataca o Brasil e dá início ao confronto que ficou conhecido como Guerra da Tríplice Aliança (união do Brasil, Argentina e Uruguai, contra o inimigo).

Sob o comando argentino, a primeira batalha é vencida pelos paraguaios. Com Caxias à frente da operação, a guerra ganha outros rumos. Lima e Silva organiza a tropa, introduz técnicas de observações com balões – inédita na América do Sul -, e sabendo a posição inimiga ataca o oponente. Vence o confronto de Curupaiti, Humaitá, Itororó e Avaí e sai consagrado do embate.

Busto do Duque de Caxias na Praça do Pacificador

Busto do Duque de Caxias na Praça do Pacificador

Duque de Caxias veio a falecer no dia 7 de maio de 1880, no Rio de Janeiro, e seu nome é consagrado até hoje pela sua disciplina, patriotismo e dedicação à nação. Seus restos mortais se encontram no Panteon a Caxias, em frente ao Ministério do Exército. Desde o dia 25 de agosto de 1923, são realizados festejos do Dia do Soldado e do Exército Brasileiro, mas só através do Decreto Federal de 13 de março de 1962, que se imortalizou o nome do invicto Duque de Caxias como Patrono do Exército.

Em 31 de dezembro de 1943, através do Decreto-Lei nº 1.055, a cidade é emancipada não fazendo mais parte de Nova Iguaçu. Desde a década de 40, o município promove festejos em homenagem ao seu patrono, com desfiles estudantis e militares, exposição bélica, solenidade na Fazenda São Paulo, local onde ele nasceu, e a entrega do Título de Cidadão Duque caxiense, a maior honraria da Câmara Municipal de Duque de Caxias.

Através da deliberação nº 1.543, de 16 de abril de 1970, o dia 25 de agosto é consagrado como ponto facultativo nas repartições municipais, caso a data coincida com dias úteis.

Desfile no dia 7 de setembro de 1967, no Centro

Desfile no dia 7 de setembro de 1967, no Centro

Militares prestigiam evento na cidade

Militares prestigiam evento na cidade

O Dia da Baixada
30 de abril

O Dia da Baixada Fluminense, 30 de abril, nasceu depois de muita luta e discussão dos vários segmentos culturais da região: pesquisadores, artistas, escritores, historiadores e promotores culturais, além da imprensa. Diversas foram as tentativas de se implantar uma política de resgate e de promoção de nossos valores.

Fóruns culturais foram feitos aos montes, mas seus resultados práticos não corresponderam às expectativas. Em 1999, ocorreu um encontro estadual, em Duque de Caxias, no Sesi. Desta reunião, saiu um documento que ficou conhecido como Carta da Baixada . A Carta norteava a formulação de uma política cultural para a região: resgate do patrimônio histórico e cultural dos municípios que compõem a região, interlocução entre o poder público e os agentes culturais e a qualificação profissional desses agentes.

Uma comissão foi formada, mas passado um ano nada foi feito. A demora nas ações fez nascer a Carta Cultural da Baixada Fluminense, no dia 9 de dezembro de 2000, na Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (UERJ), na Vila São Luiz, Duque de Caxias. Sob a coordenaçãoJuntamente do PINBA (Programa Integrado de Pesquisa e Cooperação Técnica da Baixada Fluminense) e do IPAHB (Instituto de Pesquisa e Análises Históricas e de Ciências Sociais da Baixada Fluminense), juntamente com os diversos setores culturais, foram definidas as prioridades para a localidade.

datas_9A Carta Cultural da Baixada Fluminense propôs a implantação dos Conselhos Municipais de Cultura, levantamento histórico, cultural e patrimonial de cada município, dentro de um processo de tombamento e conservação, criação de uma biblioteca pública em cada região, recuperação do patrimônio histórico- arquitetônico e a criação do Dia da Baixada , 30 de abril, entre outros itens.

A pressão deu resultado. No dia 2 de maio de 2002, através da Lei Estadual nº 3.822, estabeleceu-se o dia 30 de abril como o Dia da Baixada Fluminense. A lei foi publicada no Diário Oficial, no dia 3 de maio do mesmo ano.

A lei:

Art. 1º. Fica a data de 30 de abril considerada DIA DA BAIXADA FLUMINENSE.

Art. 2º. O DIA DA BAIXADA FLUMINENSE será comemorado obrigatoriamente em todas as escolas da rede estadual de ensino público e em todas as repartições públicas estaduais localizadas na região.

Art. 3º. Esta Lei entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

A data (30 de abril) refere-se à inauguração da primeira Estrada de Ferro construída no Brasil, em 1854, que ligava o Porto de Mauá (Estação Guia de Pacobaíba) à região de Fragoso, no pé da Serra de Petrópolis. A partir daí foram construídas outras ferrovias na região e a Estrada de Ferro tornou-se um marco histórico da ocupação urbana, dando novo perfil à ocupação do solo. Foi o começo do fim dos portos fluviais, de navegação pelos rios e dos caminhos de tropeiros e o início do processo de surgimento de vilas e povoados que se organizaram em torno das estações ferroviárias, origem de muitas das atuais cidades da Baixada.

O Dia da Baixada Fluminense visa celebrar os valores da região e discutir os problemas atuais, como a participação consciente de toda a sociedade. A data tem por finalidade estimular o crescimento da auto-estima da população da Baixada.

A programação dos eventos pelo dia Da Baixada deverá estender-se por todos os municípios da região, por iniciativa tanto dos órgãos públicos quanto de toda e qualquer organização, principalmente aquelas que se dedicam às questões coletivas, sociais e culturais.

A Baixada Fluminense possui, hoje, três milhões e trezentos mil habitantes distribuídos em 13 municípios (Itaguaí, Paracambi, Seropédica, Japeri, Queimados, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Belford Roxo, Mesquita, Nilópolis, São João de Meriti, Magé e Guapimirim), que representam o segundo maior colégio eleitoral do Estado do Rio de Janeiro, e o quarto mercado consumidor em todo o país, respondendo por 12% do PIB.

A pesar de sua importância econômica, a região também apresenta graves problemas. De acordo com estudos feitos por pesquisadores do Observatório de Políticas Urbanas e Gestão Municipal, órgão do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR/UFRJ), a Baixada concentra o maior número da população jovem, em sua maioria negra (60% do total), de baixo nível escolar (mais de 10% de sua população acima de 15 anos é analfabeta) e muito pobre, já que mais de 30% de seus habitantes têm uma renda mensal inferior a um salário mínimo.

A população da Baixada possui um grande patrimônio, que precisa ser resgatado, mas outras metas também devem ser alcançadas como: justiça social e qualidade de vida.

Emancipação de Duque de Caxias

A história de Duque de Caxias está diretamente ligada ao crescimento da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. O vai e vem de pessoas pelas terras determinaram várias mudanças no perfil da região. Brás Cubas foi um dos primeiros nomes que receberam terras nessa região. Na segunda metade do século XV, começou, de fato, o povoamento dos Vales de Iguaçu, Meriti, Sarapuí, Saracuruna e Capivari.

Com o aumento da população, as lavouras de cana-de-açúcar, milho, feijão e mandioca ofereceram riquezas aos proprietários de latifúndio. Em 1833, o povoado de Iguaçú elevou-se à Vila e foram anexadas a ela as terras do atual município de Duque de Caxias.

A UCP, grupo formado por políticos, jornalistas e médicos, lutou pela emancipação da Cidade

A UCP, grupo formado por políticos, jornalistas e médicos, lutou pela emancipação da Cidade

No século XIX, foi instalado um trecho da ferrovia que ligava a cidade do Rio de Janeiro à Estação de Meriti. Com a abolição dos escravos em 1888, aconteceram vários transformações na vida econômica e social da Baixada Fluminense. As obras de saneamento foram abandonadas, houve um atraso nas condições propícias à saúde e várias enfermidades surgiram. Entre elas, a malária e a doença de Chagas.

O processo de emancipação da cidade esteve relacionado à formação de um grupo que organizou a União Popular Caxiense (UPC): jornalistas, médicos e políticos locais. Em 1940, foi criada a comissão pró-emancipação: Sylvio Goulart, Rufino Gomes, Amadeu Lanzeloti, Joaquim Linhares, José Basílio, Carlos Fraga e Antonio Moreira. A reação do governo foi imediata e os manifestantes foram presos.

O grande crescimento pelo qual passava Meriti levou o deputado federal Dr. Manoel Reis a propor a criação do distrito de Caxias. Em 14 de março de 1931, através do ato do interventor Plínio Casado, foi criado, pelo Decreto Estadual Nº 2.559, o distrito de Caxias, com sede na antiga Estação de Meriti, pertencente ao então município de Nova Iguaçu. Em 31 de dezembro de 1943, através do Decreto-Lei 1.055, elevou-se à categoria de município recebendo o nome de Duque de Caxias. Já a Comarca de Duque de Caxias foi criada pelo Decreto-Lei nº 1.056, no mesmo dia, mês e ano.

O município de Duque de Caxias limita-se ao Norte com Petrópolis e Miguel Pereira; ao Leste com a Bahia da Guanabara e Magé; ao Sul com a cidade do Rio de Janeiro e ao Oeste com São João de Meriti, Belford Roxo e Nova Iguaçu. Caxias possui clima quente, porém, os 3º e 4º distritos (Imbariê e Xerém) têm temperatura amena em virtude da área verde e da proximidade da Serra dos Órgãos.

O Rio Meriti separa o município de Duque de Caxias da cidade do Rio de Janeiro e o Rio Iguaçu delimita Duque de Caxias de Nova Iguaçu. Já o Rio Sarapuí faz a divisão entre o 1º e o 2º distrito e o Rio Saracuruna separa o 2º do 3º distrito.

Com a emancipação, o município recebeu grande incentivo em sua economia. Várias pessoas, oriundas principalmente do Nordeste do Brasil, chegavam ao Rio de Janeiro em busca de trabalho e elegiam Duque de Caxias como residência.

A origem do nome

Estação de Caxias

Estação de Caxias

Apesar de não participar de nenhum movimento pró-emancipação emancipação, foi graças à iniciativa de José Luiz Machado, mais conhecido como “Machadinho”, que Meriti passou a se chamar Caxias. Morador da localidade desde o início do século XX, “Machadinho” e um grupo de amigos foram à estação de trem, próximo à Plínio Casado, para retirar a placa que tinha o nome de Meriti e trocá-la por Caxias, uma homenagem a Luiz Alves de Lima e Silva, que nasceu na região.

O acontecimento histórico foi registrado pelo jornal “Tópico” (Duque de Caxias, 25/08/1958) em comemorações pelo 15º aniversário de emancipação político-administrativa de Duque de Caxias. O jornalista Waldair José de Souza, na época, assinou a seguinte matéria: “Nasce uma cidade – memórias do homem que lhe mudou a denominação”.

Meriti vinha ganhando melhorias feitas por Nilo Peçanha como: bica d’água, saneamento, calçamento, postos de correio e telégrafos. Aos poucos, o nome “Meriti do Pavor”, como a estação ferroviária era mais conhecida, não era mais compatível com a antiga Meriti de abandono e malária. Acompanhando os ventos da mudança, no dia 6 de outubro de 1930, “Machadinho”, tendo ajuda de Jaime Fischer, Oswaldo Gamboa, Américo Soares e Francisco Azevedo afixou a placa como o nome de Caxias. Quatro meses depois, em 1931, foi criado o distrito de Caxias, 8º de Nova Iguaçu, que perdurou até 1943.