Duque de Caxias

Situado na Baixada Fluminense, Duque de Caxias abriga atualmente quase um milhão de habitantes em seus 465 km2. Seus limites estendem-se, atualmente, aos municípios de Miguel Pereira, Petrópolis, Magé, Rio de Janeiro, São João de Meriti e Nova Iguaçu. A hidrografia pode ser resumida em quatro bacias principais: Iguaçu, Meriti, Sarapuí e Estrela.

O município é dividido em quatro distritos: 1º- Duque de Caxias, 2º- Campos Elíseos, 3º- Imbariê, 4º- Xerém. Em cumprimento à Lei Orgânica, a sede municipal, que se encontrava no 1º distrito, foi transferida, a partir de 29 de maio de 1991, para o 2º distrito.

A história de Duque de Caxias confunde-se com a dos municípios que lhe são vizinhos. Isso porque, até a década de 1940, Duque de Caxias, São João de Meriti e Nilópolis, juntos com Nova Iguaçu, formavam um só município.

A região onde está inserido o município, desde o período da ocupação européia, teve sua história estreitamente relacionada à da cidade do Rio de Janeiro. Situando-se às margens da Baía da Guanabara, teve seu desenvolvimento ligado à extensa rede hidrográfica que a cortava. Através dos rios, realizava-se o escoamento da produção local e estabeleciam-se os elos de comunicação entre o interior e o litoral, favorecendo a ocupação das cercanias da Baía pelo interior serrano.

O povoamento da região data do século XVI, quando foram doadas sesmarias, durante a expulsão dos franceses que haviam invadido a Baía de Guanabara. Um dos agraciados foi Cristóvão Monteiro que recebeu terras, em 1565, às margens do rio Iguaçu, que formaram a Fazenda do Iguaçu, sendo a mesma, mais tarde, adquirida pela Ordem de São Bento, tornando-se então a mais antiga e importante fazenda localizada na região que hoje constitui o município de Duque de Caxias.

A atividade econômica que incentivou a ocupação da região foi a do cultivo da cana-de-açúcar. O milho, o feijão, a mandioca e o arroz tornaram-se, também, importantes produtos durante esse período e abasteceram a cidade do Rio de Janeiro, assim como a lenha retirada da região.

Já no século XVIII, a relação da cidade carioca com a região da Baixada se estreitou ainda mais, através dos caminhos que ligavam a região das Minas Gerais, quando o eixo econômico do Brasil em sua relação com Portugal voltou-se para o ouro do planalto mineiro. Com a necessidade do escoamento do ouro e o abastecimento da província mineira, a região da Baixada da Guanabara passou a ter importância estratégica, pois se tornou área obrigatória de passagem, por conta de seus rios, bem como pelas estradas que foram abertas através das serras para que o trânsito de mercadorias se desenvolvesse. O Caminho Novo do Pilar, aberto devido às necessidades oriundas da mineração, entre elas a de se abrir um caminho rápido, econômico e seguro, que ligasse o Rio de Janeiro à região das Minas Gerais, intensificou as relações daquela cidade com os portos da Estrela, Pilar e Iguaçu.

Apesar da decadência da mineração, a região manteve-se ainda como ponto de parada e abastecimento de tropeiros, assim como local de passagem de mercadorias. Até o século XIX, o desenvolvimento das áreas no entorno da Baía foi notável. Entretanto, a impiedosa devastação das matas, assoreamento e obstrução dos rios, e o conseqüente transbordamento destes, favoreceram o surgimento de epidemias de doenças endêmicas da região, como a malária e o cólera. Muitos abandonaram a região que, praticamente, ficou inabitável.

Em meados do século XIX, Meriti, área do atual 1º distrito de Duque de Caxias, representava apenas um ponto de escoamento de poucos produtos, dentre os quais a lenha e o carvão vegetal. Até meados do século XX, a área que corresponde ao município era um espaço rural, uma área periférica que sofreu o impacto de algumas propostas de saneamento no início do século, mas que, no entanto, passou por um processo de ocupação desordenado, facilitado pela Estrada de Ferro Leopoldina Railway.

A recuperação de Meriti começou a se insinuar com o advento da estrada de ferro, que ditava novos traçados nos caminhos, modificando por completo as relações comerciais e a ocupação do solo. Foi o início do processo de surgimento de vilas e povoados que se organizaram em torno das estações ferroviárias, origem dos muitos bairros das nossas atuais cidades. Quando a ferrovia atingiu o vale de Meriti, a região começou a sofrer os efeitos da expansão urbana da cidade do Rio de Janeiro. Com a inauguração da Estrada de Ferro Leopoldina, em 23 de abril de 1886, a localidade ficou definitivamente ligada ao antigo Distrito Federal.

No início do século XX, as terras da Baixada serviram para aliviar as pressões demográficas da cidade do Rio de Janeiro, já prenunciadas no “Bota Abaixo” do Prefeito Pereira Passos. Os dados estatísticos revelam que, em 1910, a população de Meriti era de 800 pessoas, passando em 1920, para 2.920, e em 1930, para 28.756 habitantes. O rápido crescimento populacional provocou o fracionamento e loteamento das antigas propriedades rurais, naquele momento, improdutivas.

A partir dos anos 1930, durante a era Vargas, o território do atual município de Duque de Caxias experimentou intensivo processo de remodelação de sua área, incorporando-se ao modelo urbano-industrial. O desenvolvimento pelo qual passava Meriti levou o Deputado Federal Dr. Manoel Reis a propor a criação do Distrito de Caxias. Dessa forma, através do Decreto Estadual nº 2.559, de 14 de março de 1931, o Interventor Federal Plínio Casado elevou o local a 8º Distrito de Nova Iguaçu.

Os anos 1940 encontraram o Distrito com uma população que já atingia a casa dos 100.000 habitantes. Em 31 de dezembro de 1943, através do Decreto Lei nº 1.055, foi criado o Município de Duque de Caxias, porém somente em 1947, foi eleito o primeiro Prefeito por voto popular, tendo a Câmara Municipal sido instalada no mesmo ano.

nossa_hist_14pLocalizado estrategicamente junto às principais rodovias do país, Presidente Dutra, Washington Luís, Avenida Brasil, Linhas Vermelha e Amarela, o município de Duque de Caxias ocupa o segundo lugar no ranking de arrecadação de ICMS do estado do Rio de Janeiro, perdendo somente para a capital, de acordo com pesquisas da Fundação CIDE. Segundo dados do IBGE, Duque de Caxias possui uma população de 872.762 habitantes e um Produto Interno Bruto na ordem de R$25.001.454,00, sendo o PIB per capita de R$33.398,00.

A arrancada no desenvolvimento econômico do município teve início com a implantação da Refinaria de Duque de Caxias na década de 60. A empresa atraiu também outros gigantes do setor de petróleo: Shell, Texaco, Mobil, Petroflex. Os principais segmentos industriais no município são químico/petroquímico, metalúrgico/gás, plástico, mobiliário, têxtil/vestuário. Atualmente, empresas de vários segmentos têm se instalado em Duque de Caxias, tais como Jornal O Globo, Carrefour, Casas Bahia, aproveitando a privilegiada posição do município, sendo o número de 11.763 unidades de empresas cadastradas, segundo dados do IBGE.

nossa_hist_15pDuque de Caxias ocupa o décimo lugar na classificação estadual do IQM (Índice de Qualidade dos Municípios), que analisa os noventa e dois municípios do estado do Rio de Janeiro. Segundo a Fundação CIDE, “a análise geográfica tem demonstrado que a oferta de bens e serviços está mais desenvolvida em determinados pontos do território, formando concentrações econômicas e demográficas, que geram, muitas vezes, acentuados desequilíbrios regionais e inter-regionais. No estado do Rio de Janeiro, esse quadro foi determinado, entre outros fatores, pelo histórico da sua ocupação e da sua economia, pela carência de infra-estrutura, assim como pela falta de investimentos em pontos diferenciados do território, o que acarretou, conseqüentemente, no passado, o acentuado crescimento da Região Metropolitana e, por outro lado, o incipiente dinamismo da economia em grande parte dos municípios fluminenses”. Importante frisar que a análise desta classificação, além de demonstrar que o município é um dos primeiros colocados em qualidade, tem potencial para, na prática da gestão pública, auxiliar nas ações de planejamento visando a melhoria das condições sociais.

A população caxiense encontra-se dividida em 41 bairros e quatro distritos. O bairro de maior população é Gramacho, no primeiro distrito, e o bairro de menor população é Lamarão, no quarto distrito, segundo dados da Prefeitura. Os bairros dividem-se da seguinte forma:

1º DISTRITO: Jardim 25 de Agosto, Parque Duque, Periquitos, Vila São Luiz, Gramacho, Sarapuy, Centenário, Centro, Dr. Laureano, Olavo Bilac, Bar dos Cavaleiros, Jardim Gramacho. 2º DISTRITO: Jardim Primavera, Saracuruna, Vila São José, Parque Fluminense, Campos Elíseos, Cangulo, Cidade dos Meninos, Figueira, Chácaras Rio-Petrópolis, Chácara Arcampo, Eldorado. 3º DISTRITO: Santa Lúcia, Santa Cruz da Serra, Imbariê, Parada Angélica, Jardim Anhangá, Santa Cruz, Parada Morabi, Taquara, Parque Paulista, Parque Equitativa, Alto da Serra, Santo Antônio da Serra. 4º DISTRITO: Xerém, Parque Capivari, Mantiqueira, Jardim Olimpo, Lamarão, Amapá.
A saúde financeira de Duque de Caxias é alimentada principalmente pelas altas receitas do ICMS das empresas que vêm crescendo a cada ano. No entanto, as pesquisas que medem o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), índices direcionados às análises educacionais, de renda e de longevidade de uma população, indicam que o município é o 52º do estado.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a elaboração do IDH tem como objetivo oferecer um contraponto a outro indicador, o Produto Interno Bruto (PIB), e parte do pressuposto que para dimensionar o avanço não se deve considerar apenas a dimensão econômica, mas também outras características sociais, culturais e políticas que influenciam a qualidade da vida humana. A metodologia de cálculo do IDH envolve a transformação das três dimensões pesquisadas em índices de longevidade, educação e renda, que variam entre 0 (pior) e 1 (melhor), e a combinação destes índices em um indicador síntese. Quanto mais próximo de 1 o valor deste indicador, maior será o nível de desenvolvimento humano do país ou região. O valor síntese do município de Duque de Caxias é 0,753, valor estimado em médio, mas ficando atrás de municípios como Niterói, Volta Redonda, Iguaba Grande, Armação dos Buzios, Arraial do Cabo, Mangaratiba, Cordeiro e Itaperuna.

Fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Fundação Cide, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Instituto de Planejamento e Pesquisas Aplicadas (IPEA), DETRO, Secretaria Municipal de Serviços Públicos, Secretaria Municipal de Planejamento.

Por aqui circularam as maiores riquezas do país

Nos séculos XVII e XVIII, a divisão administrativa de Iguassú, hoje município de Nova Iguaçu, seguia critérios eclesiásticos, ou seja, a igreja matriz assumia a responsabilidade jurídica e religiosa, administrando as capelas secundárias: as freguesias. Sendo assim, Pilar, Meriti, Estrela e Jacutinga, áreas que atualmente ocupam parte do território de Duque de Caxias, pertenciam à Iguassú.

A região tornou-se importante ponto de passagem das riquezas vindas do interior: o ouro das Minas Gerais, descoberto no momento de crise da lavoura açucareira, e o café do Vale do Paraíba, que representou cerca de 70% de toda a nossa economia.

Com a implantação do transporte ferroviário, na metade do século XIX, o quadro transformou-se radicalmente. A estrada de Ferro D. Pedro II ligou a capital do Império ao atual município de Queimados. A produção do Vale do Paraíba passou a ser escoada por esta via, os rios e o transporte terrestre deixaram progressivamente de serem usados e os portos fluviais perderam importância. A região iguassuana entra em franca decadência.

Meriti também ficou esquecida, nem a inauguração da Estrada de Ferro Leopoldina (1886), ligando a cidade do Rio de Janeiro à Meriti apresentou mudanças nesse quadro. Para piorar, os rios foram assoreados pelo desmatamento e pela expansão da ferrovia, transformando-se em pântanos, fazendo surgir focos de doenças como a malária.

Na década de 40, o governo federal promoveu a limpeza de mais de seis mil quilômetros de rios e construiu mais de 200 pontes na Baixada Fluminense. Com a inauguração de novas estações, em 1911, pela Estrada de Ferro Leopoldina multiplicaram-se as viagens, bem como o número de passageiros em Gramacho, São Bento, Actura (Campos Elíseos), Primavera e Saracuruna. Nesta época, Meriti ainda era distrito de Iguassú. Com a construção da Rodovia Rio-Petrópolis, em 1928, Meriti voltou a prosperar.

Caminho do Ouro

Tropeiros carregavam ouro e outras mercadorias até o Porto de Pilar

Tropeiros carregavam ouro e outras mercadorias até o Porto de Pilar

No século XVIII, o centro econômico brasileiro transferiu-se para Minas Gerais. O ouro veio substituir a plantação canavieira em crise, mudando o panorama da sociedade colonial.

Foi dada a largada para a corrida do ouro, que arrastou uma romaria de pessoas de vários pontos do Brasil: Nordeste decadente, vilas, sertões e até de outras nações européias. A atividade febril do século XVIII extraiu mais ouro das minas brasileiras, em sete décadas de exploração, que em mais de três séculos de atividade aurífera da América Espanhola.

Usando o caminho de Garcia Pais, que concluiu, em 1704, a primeira ligação direta entre o Rio de Janeiro e Minas, os tropeiros – homens que guiavam animais de cargas -, faziam o transporte do ouro e de outras mercadorias até o Porto de Pilar. O porto destacava-se pela sua posição estratégica, pois ficava à margem do rio de mesmo nome e era navegável em cerca de 12 quilômetros. A freguesia tinha um povoado próspero e sua igreja rivalizava, em luxo, com as demais da região das Minas Gerais. A viagem de barco era feita pela Baía de Guanabara, subindo rio até o porto de Nossa Senhora do Pilar.

O Caminho Novo de Garcia Pais era mais longo e de difícil acesso, fazendo com que muitas cargas fossem perdidas. Bernardo Soares de Proença abriu um novo caminho através do Porto da Estrela. Com subidas mais suaves e com um percurso menor em quatro dias, Estrela assumiu a rota obrigatória de todas as riquezas que circulavam na região.

Entre 1761 e 1781, as minas de ouro tiveram uma queda sensível em sua produção, mesmo assim, Estrela continuava sendo o principal caminho para o interior. A inauguração da 1ª ferrovia brasileira, ligando o porto de Mauá à Estação de Fragoso, em Petrópolis, contribuiu para a mudança da realidade local. Outra estrada de ferro, a D. Pedro II passando por Maxambomba, incluindo o assoreamento dos rios e a abolição da escravatura, decretaram o fim do porto.

Sem a conservação necessária, os rios foram ficando cada vez mais assoreados, quase que inviabilizando a navegação. Não demorou para que a região fosse transformada em área propícia à proliferação de mosquitos, tornando-se praticamente inabitável, tendo sua população declinado.

Barca chega ao Porto de Mauá.

Barca chega ao Porto de Mauá.

O transporte ferroviários aos  poucos substituiu o hidrográfico na região.

O transporte ferroviários aos poucos substituiu o
hidrográfico na região.

Estação Guia Pacobaíba

Estação Guia Pacobaíba

Caminho do café

Foto da Baronesa

Foto da Baronesa

O primeiro grande cultivador de café foi o Rio de Janeiro. Inicialmente foi plantado na Floresta da Tijuca, espalhando-se rapidamente por Angra dos Reis, Mangaratiba, Parati, Maricá, Itaboraí, Magé, Iguassú e Estrela. Apesar de que nestas duas últimas regiões, o café não chegou a constituir-se em um ciclo, embora tenha sido cultivado.O café chegou ao Brasil em 1727, trazido por Francisco de Melo Palheta, que plantou no Pará a primeira muda. Em 1840, o café já era o principal produto brasileiro com o aumento do seu consumo em toda a Europa e Estados Unidos.

Solo fértil, temperatura amena e chuvas regulares. Esses fatores determinaram à região do Vale do Paraíba, como ideal para o cultivo do café. Foram 40 anos de superprodução (1830 a 1870) em que era comum ver os trens carregados até a boca fazendo o caminho Vassouras/Rio de Janeiro.

Associado ao capital inglês e aos produtores de café ,em 1854, Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, construiu a primeira ferrovia brasileira com o objetivo de dinamizar e baratear o transporte do produto. A Baronesa, nome dado à antiga locomotiva, saía de Raiz da Serra, Petrópolis, com seus vagões repletos de café e de outras mercadorias até chegar ao Porto da Estrela, de onde o transporte era feito por barcos a vapor, através da Baia de Guanabara, até a cidade do Rio de Janeiro. A ferrovia dava início ao fim do transporte terrestre e fluvial na região. Quatro anos depois, foi construída a estrada de Ferro D. Pedro II (atual Central do Brasil) e, em 1860, a São Paulo Railway Company (Santos- Jundiaí). Nem a The Rio de Janeiro Northen Railway construída no dia 23 de abril de 1886, representou grandes mudanças no processo de esvaziamento de Meriti.

Em 1870, o Vale do Paraíba perdeu sua pujança. O solo desgastado pelo uso contínuo do café transferiu-se para o Oeste paulista. O café era tão importante para nossa economia que representava, ao erário brasileiro, cerca de 70% de toda a sua exportação.

Com o fim da trabalho escravo, em fins do século XIX, ocorreram modificações expressivas na sociedade brasileira. O trabalho forçado feito pelo escravo, deu vez ao profissional assalariado. Foi no embalo dessas mudanças que surgiram as primeiras indústrias, dando início ao crescimento econômico.

No Rio de Janeiro, o reflexo do crescimento era marcado com a introdução da iluminação a gás e a novidade: água encanada. No Brasil, até 1860, foram registradas 70 fábricas que produziam produtos até então importado, como cerveja, chapéus e sabão.

No governo de Nilo Peçanha, Meriti teve uma tímida melhoria na área do saneamento básico, contando, inclusive, com a chegada da água, em 1916, na área da atual Praça do Pacificador. Mas no governo de Getúlio Vargas, que criou a Comissão de Saneamento da Baixada Fluminense, a região avançou muito. Até 1945, mais de seis mil quilômetros de rios foram limpos, retirando dos seus leitos 45 milhões de metros cúbicos de terra. Com este trabalho, os rios deixaram de ser criadouros de mosquito, diminuindo em muito o número de doenças na região.

Com a abertura da Rodovia Rio-Petrópolis, Meriti voltou a crescer. Inúmeras empresas compraram terrenos e se instalaram aqui devido à proximidade com o Rio de Janeiro.

A história de Duque de Caxias está diretamente ligada ao crescimento da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. O vai e vem de pessoas pelas terras determinaram várias mudanças no perfil da região. Brás Cubas foi um dos primeiros nomes que receberam terras nessa região. Na segunda metade do século XV, começou, de fato, o povoamento dos Vales de Iguaçu, Meriti, Sarapuí, Saracuruna e Capivari.

Com o aumento da população, as lavouras de cana-de-açúcar, milho, feijão e mandioca ofereceram riquezas aos proprietários de latifúndio. Em 1833, o povoado de Iguaçú elevou-se à Vila e foram anexadas a ela as terras do atual município de Duque de Caxias. No século XIX, foi instalado um trecho da ferrovia que ligava a cidade do Rio de Janeiro à Estação de Meriti. Com a abolição dos escravos em 1888, aconteceram vários transformações na vida econômica e social da Baixada Fluminense. O saneamento dos rios foram abandonados, houve um atraso nas condições propícias à saúde e várias enfermidades surgiram. Entre elas, a malária e a cólera.

A UCP, grupo formado por políticos, jornalistas e médicos, lutou pela emancipação da Cidade

A UCP, grupo formado por políticos, jornalistas e médicos, lutou pela emancipação da Cidade

O processo de emancipação da cidade esteve relacionado à formação de um grupo que organizou a União Popular Caxiense (UPC): jornalistas, médicos e políticos locais. Em 1940, foi criada a comissão pró-emancipação: Sylvio Goulart, Rufino Gomes, Amadeu Lanzeloti, Joaquim Linhares, José Basílio, Carlos Fraga e Antonio Moreira. A reação do governo foi imediata e os manifestantes foram presos.

O grande crescimento pelo qual passava Meriti levou o deputado federal Dr. Manoel Reis a propor a criação do distrito de Caxias. Em 14 de março de 1931, através do ato do interventor Plínio Casado, foi criado, pelo Decreto Estadual Nº 2.559, o distrito de Caxias, com sede na antiga Estação de Meriti, pertencente ao então município de Nova Iguaçu. Em 31 de dezembro de 1943, através do Decreto-Lei 1.055, elevou-se à categoria de município recebendo o nome de Duque de Caxias. Já a Comarca de Duque de Caxias foi criada pelo Decreto-Lei nº 1.056, no mesmo dia, mês e ano.

O município de Duque de Caxias limita-se ao Norte com Petrópolis e Miguel Pereira; ao Leste com a Bahia da Guanabara e Magé; ao Sul com a cidade do Rio de Janeiro e ao Oeste com São João de Meriti, Belford Roxo e Nova Iguaçu. Caxias possui clima quente, porém, os 3º e 4º distritos (Imbariê e Xerém) têm temperatura amena em virtude da área verde e da proximidade da Serra dos Órgãos.

O Rio Meriti separa o município de Duque de Caxias da cidade do Rio de Janeiro e o Rio Iguaçu delimita Duque de Caxias de Nova Iguaçu. Já o Rio Sarapuí faz a divisão entre o 1º e o 2º distrito e o Rio Saracuruna separa o 2º do 3º distrito.

Com a emancipação, o município recebeu grande incentivo em sua economia. Várias pessoas, oriundas principalmente do Nordeste do Brasil, chegavam ao Rio de Janeiro em busca de trabalho e elegiam Duque de Caxias como residência.

A origem do nome

Estação de Caxias

Estação de Caxias

Apesar de não participar de nenhum movimento pró-emancipação emancipação, foi graças à iniciativa de José Luiz Machado, mais conhecido como “Machadinho”, que Meriti passou a se chamar Caxias. Morador da localidade desde o início do século XX, “Machadinho” e um grupo de amigos foram à estação de trem, próximo à Plínio Casado, para retirar a placa que tinha o nome de Meriti e trocá-la por Caxias, uma homenagem a Luiz Alves de Lima e Silva, que nasceu na região.

O acontecimento histórico foi registrado pelo jornal “Tópico” (Duque de Caxias, 25/08/1958) em comemorações pelo 15º aniversário de emancipação político-administrativa de Duque de Caxias. O jornalista Waldair José de Souza, na época, assinou a seguinte matéria: “Nasce uma cidade – memórias do homem que lhe mudou a denominação”.
Meriti vinha ganhando melhorias feitas por Nilo Peçanha como: bica d’água, saneamento, calçamento, postos de correio e telégrafos. Aos poucos, o nome “Meriti do Pavor”, como a estação ferroviária era mais conhecida, não era mais compatível com a antiga Meriti de abandono e malária. Acompanhando os ventos da mudança, no dia 6 de outubro de 1930, “Machadinho”, tendo ajuda de Jaime Fischer, Oswaldo Gamboa, Américo Soares e Francisco Azevedo afixou a placa como o nome de Caxias. Quatro meses depois, em 1931, foi criado o distrito de Caxias, 8º de Nova Iguaçu, que perdurou até 1943.

Construção da FNM.

Construção da FNM.

Em 1942, em pleno Estado Novo, a Fábrica Nacional de Motores (FNM) implantou suas bases em Xerém, Duque de Caxias. O projeto ambicioso de colonização e desenvolvimento industrial começou com a produção de motores de aviões para fins militares. Era dado o primeiro passo para uma época de ostentação, luxo e crescimento.

A fábrica deixou marcas profundos na localidade, que o tempo ainda não conseguiu apagar. Por onde se ande, ainda hoje é fácil notar a importância da FNM no crescimento do distrito. As casas dos operários, as vilas luxuosas dos engenheiros, o hotel construído em estilo italiano, a igreja e a delegacia são alguns exemplos do que representou a passagem da fábrica para a região.

Na década de 40, começou a construção da FNM. Os pioneiros encontraram pela frente barreiras impostas pela própria natureza: mata densa e uma área pantanosa, que criava condições propícias para a proliferação da malária. Isso obrigou a fábrica a construir uma carpintaria, onde se confeccionavam caixões para os funcionários que morriam contaminados.

A FNM produziu também aviões de guerra.

A FNM produziu também
aviões de guerra.

Sob os horrores da II Guerra Mundial, começou em ritmo intenso a produção dos motores de aviões “Wright” (450 HP), os mais modernos fabricados no país. Um aeroporto foi construído para pouso e decolagem dos aviões. Eles transportavam os motores das aeronaves que abasteciam a guerra. Hoje, o mato encobriu a pista, mas o velho hangar ainda resiste à ação do tempo.

Dois fatores contribuíram na transformação da fábrica em sociedade anônima, em 1947: o fim da II Guerra Mundial e a compra da Força Aérea Brasileira (FAB) de centenas de aviões americanos, exatamente iguais aos produzidos em Xerém. Através do Decreto Lei 8.699, de 16 de janeiro de 1946, que entrou em vigor um ano depois, acabava o período militar da FNM.

Começava uma nova era na indústria e no distrito. Uma romaria de trabalhadores se dirigiram para a região em busca de emprego na estatal. A presença da FNM na vida do operário era total. Foram construídas duas vilas para os funcionários: Santa Lúcia e Nossa Senhora das Graças, além de um acampamento para os solteiros, no morro que ficava em frente à entrada de Xerém. A fábrica dava aos funcionários toda a estrutura e facilidade. Foi construído um posto médico, escola para os funcionários, uma granja, que fornecia aves e porcos, além de criação e abate de gado na Fazenda São Lorenço.

O luxo da Vila do Engenheiros.

O luxo da Vila do Engenheiros.

Na Vila dos engenheiros, o toque de requinte e luxo não foram esquecidos. São 13 casas que circundam uma área de vista privilegiada. Pedras decorativas nas escadas, lampiões, lustres, quadra de futebol de salão e piscina completavam o cenário vivido pelos engenheiros. A igreja e o hotel – em estilo italiano -, também são construções que marcaram a fartura e a suntuosidade da época.

Em 1947, a FNM constrói os primeiros caminhões brasileiros, após ter assinado um contrato com a fábrica italiana Isota Franchini, que cedeu licença especial para a produção dos veículos. Quatro anos depois, a FNM firma contrato com a Alfa Romeu, de Milão, na Itália, e substitui os modelos ultrapassados pelos caminhões pesados: o Fenemê D-9300.

Caminhão feito em Caxias.

Caminhão feito em Caxias.

Na década de 60, a Fábrica Nacional de Motores lançou, em Brasília, o Alfa Romeu “JK”, em homenagem ao presidente da República. O carro possuía seis lugares, motor quatro cilindros, 110 cavalos de potência, seis mil rotações e cinco marchas para frente. A queda na produção, a má administração e ,principalmente, o endividamento com o BNDES levou a venda da estatal para a Alfa Romeu, em 1968.

Durante oito anos, a Alfa Romeu produziu carros de tradição, que levavam a sua marca. Predominavam o arrojo e a elegância de suas linhas. O que agradava em cheio boa parte da elite brasileira.

Em 1976, a Fiat comprou as instalações da Alfa Romeu e iniciou um processo lento de modernização do parque industrial.

Maquinários obsoletos foram substituídos por equipamentos modernos. Começaram as demissões e a redução gradativa dos funcionários. Em 1981, a Fiat mandou embora três mil funcionários e em seguida muda-se para Betim, Minas Gerais, acabando com quase 40 anos de riqueza e crescimento econômico da região.

Refinaria de Duque de Caxias (REDUC)

nossa_hist_refinariaA maior refinaria em complexidade do Brasil opera em Duque de Caxias: a Reduc. Ela foi instalada, em Campos Elíseos, 2º distrito, no dia 20 de janeiro de 1961, e foi o terceiro investimento feito pela Petrobras no país.

A Reduc ocupa uma área de 13 milhões de metros quadrados e possui um faturamento anual de aproximadamente US$ 3 bilhões, sendo responsável pelo recolhimento anual de impostos para o Estado do Rio de Janeiro de mais de US$ 500 milhões.

Estrategicamente localizada entre as principais rodovias brasileiras, o que facilita o escoamento da produção, a Reduc produz 52 produtos diferentes decorrentes do processamento de petróleo e gás natural, classificados como combustíveis, lubrificantes, parafinas, petroquímicos, etc.
A unidade tem capacidade de refino de 242 mil barris/dia e possui o maior conjunto para produção de lubrificantes do Brasil (80% da produção nacional). Sua capacidade de tancagem é de 366 tanques, num total de 3 bilhões e 400 milhões de litros.

A refinaria abastece todo o Estado do Rio de Janeiro, parte de Minas Gerais e, por cabotagem (navios), Espírito Santo e o Rio Grande do Sul. O produto brasileiro também atravessa fronteiras, chegando aos seguintes países: Estados Unidos, Peru, Uruguai, Argentina, Chile e Colômbia.

As empresas que se instalaram a sua volta, como a Petroflex e a Polibrasil, também são abastecidas pela Reduc. Outro que receberá matéria prima da refinaria será o Pólo Gás Químico, ainda em fase de construção.

Números que Impressionam

A Reduc é a maior refinaria em complexidade do país.

A Reduc é a maior refinaria em complexidade do país.

Tudo que se relaciona à Refinaria de Duque de Caxias é grandioso. Só para se ter uma idéia, a obra consumiu 120 mil metros cúbicos de concreto, 9,6 milhões de quilos de ferro, 300 mil metros de tubulações e empregou 7 mil homens. Caso formos incluir a barragem e a adutora, os números soltam para 7,6 mil operários.

No dia 23 de julho de 1959, foi cravada a primeira estaca da obra. Ao todo, foram 35 mil dos seguintes tipos: moldadas no local, pré-moldadas, madeira e metálica, atingindo 415 mil metros de estacas, a mesma distância entre Rio e São Paulo.

A construção da Refinaria de Duque de Caxias reuniu a maior concentração de equipamentos da América do Sul, na montagem de uma unidade industrial e contou com mão de-obra-obra 100% nacional.

Dentro do primeiro cálculo, feito em 1959, a obra foi orçada em 12 bilhões de cruzeiros, sendo posteriormente majorada para 14 bilhões, por causa do reajuste do salário mínimo.

A Escola Proletária Merity, fundada pela Professora Armanda Álvaro Alberto, obedecendo aos métodos montessorianos, mereceu elogios dos mais eminentes educadores e intelectuais do país.

Professora Armanda Álvaro Alberto – uma pioneira em Merity

A história da política educacional brasileira sempre foi marcada por nomes masculinos: Anísio Teixeira, Venâncio Filho, Roquete Pinto, entre outros. Contudo, ao buscarmos conhecer a história do município de Duque de Caxias, encontraremos um nome de relevância na educação nacional, integrante também da nossa história: professora Armanda Álvaro Alberto. Junto com Noemi da Silveira e Cecília Meirelles, Armanda foi uma das três mulheres que assinaram o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, em 1932. Assinado por outros 23 educadores, entre os quais Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Edgard Sussekind Mendonça, Roquette Pinto e Venâncio Filho, o documento fazia a defesa da escola pública, gratuita e de qualidade para todos.
Armanda Álvaro Alberto nasceu no Rio de Janeiro em 10 de junho de 1892. Sobre sua vida particular, sua infância ou casamento, pouco se sabe. Entretanto, as pesquisas realizadas por estudiosos da educação, revelam que há nos arquivos uma substancial quantidade de documentos a respeito de sua vida pública e profissional.

Armanda Álvaro Alberto vinha de uma família de intelectuais. Seu pai possuía formação de nível superior em medicina. Possuidor de vocação para o estudo da química de explosivos, teve destaque nessa área. Ocupou cargos públicos como médico pesquisador, engajando-se no projeto de saneamento do Rio de Janeiro, no final do século XIX e início do XX, no combate à febre amarela. Faleceu no ano de 1908, ficando Armanda e o irmão Álvaro Alberto aos cuidados da mãe, Maria Teixeira. Esta, procedendo de família abastada, foi educada por governantas francesas e professores particulares, além do que repassou aos filhos a sua educação letrada.

Álvaro Alberto, retomando os esforços de seu pai, fundou a Fábrica Venâncio & Cia, em 1917, uma fábrica de explosivos rupturita em Merity, na região do atual município de Duque de Caxias.

Armanda, por sua vez, aos 25 anos de idade, morando no bairro do Flamengo, próximo ao Colégio Jacobina – instituição de ensino que tinha como público as mulheres da elite, onde ela estudava –, iniciou sua trajetória rumo ao magistério. Seu círculo de amizades era composto pelas famílias da elite carioca: Aguiar, Buarque de Almeida, Niemeyer, Osório de Almeida, Rodrigues Peixoto, Rios Bastos.

Professora Armanda dedicou-se as questões educacionais em prol das camadas menos favorecidas. Influenciada pelas idéias pedagógicas de Pestalozzi e também pelos ideais educacionais de Maria Montessori, em 1919, quando seu irmão atuava na Escola Naval tendo sido transferido para Angra dos Reis, professora Armanda deu início ali, ao ar livre, a uma escola fundada através da aplicação das leis da psicologia à educação das crianças, destinada aos filhos de pescadores. Para essas crianças não existia escola pública ou particular na região e as aulas daquela professora eram baseadas na autonomia dos educandos, na atividade espontânea e na experiência pessoal das crianças, utilizando a liberdade, a criatividade, a individualidade e os métodos ativos.

Em 1920, as mulheres de elite, participantes do movimento feminista, fundaram a Associação Cristã Feminina. Armanda ingressou na Associação como sócia fundadora e a sua participação propiciou a ela um envolvimento maior com o movimento feminista. Ainda nesse ano, o irmão Álvaro a convidou para uma visita à fábrica de explosivos da família em Merity.

Ao conhecer a região e a realidade de pobreza e precariedade nas quais seus habitantes estavam inseridos e, principalmente, considerando que não havia escola para a maioria das crianças, professora Armanda criou, em 1921, a Escola Proletária de Meriti, posteriormente, Escola Regional de Meriti. A escola destacou-se no cenário da época porque, assim como a experiência educativa iniciada por Armanda em Angra dos Reis, adotava métodos pedagógicos inovadores baseados nos interesses da criança e promovia, através dos Círculos de Mães, a integração da escola com a comunidade.

Duque de Caxias, no ano da fundação da Escola Proletária de Meriti, ainda era distrito de Nova Iguaçu. Armanda Álvaro Alberto instalou a escola numa casa doada pelo Dr. Romeiro Júnior. As crianças que a freqüentavam eram todas carentes e ao chegarem pela manhã, já encontravam o tabuleiro de angu doce e o latão de mate que lhes eram oferecidos e que a professora Armanda conseguia através de doações dos comerciantes da região, marcando o pioneirismo da distribuição de merenda escolar. Foi a partir daí que surgiu a idéia da merenda escolar, responsável pelo apelido de “Mate com Angu” que a Escola traz até hoje.

A “Mate com Angu” obedecia aos métodos montessorianos, sendo considerada como uma obra revolucionária pelos eminentes educadores e intelectuais do país. Mantida com recursos da fábrica de explosivos da família Álvaro Alberto, contava também com o auxílio da comunidade e apoio pedagógico dos mais representativos mestres da Associação Brasileira de Educação. Em 1922, foi criada a Caixa Escolar Dr. Álvaro Alberto, para a qual os moradores de Merity poderiam também contribuir.

Na Escola não se davam notas, prêmios ou castigos; desestimulava-se a luta pelos primeiros lugares. “Saúde, trabalho, alegria e solidariedade” norteavam a ação educadora da Escola. Desde cedo, contou com bibliotecas, laboratório, Círculo de Mães e escolinha de artes, aberta aos pais e à comunidade. Liberdade, responsabilidade, auto-educação e respeito ao desenvolvimento biológico e psicológico do educando: “aprender a fazer, fazendo”, este era o lema da Escola.

É importante destacar que a professora Armanda Álvaro Alberto teve intensa atuação na Associação Brasileira de Educação, fundada em 1924, tendo sido do Conselho Diretor da entidade e presidente da Seção de Cooperação da Família. Muito atuante, liderou o debate sobre a política editorial de livros para crianças, promovendo várias atividades relacionadas com livros infantis, além de assinar manifestos em favor da melhoria desse tipo de publicação e defender a importância de uma política de bibliotecas populares e infantis. Em 1935, presidiu a União Feminina do Brasil. Assim como seu marido, Edgar Sussekind de Mendonça, Armanda foi acusada de envolvimento com o movimento comunista e ficou presa por um período de oito meses entre 1936/1937. À frente da sua escola até 1964, professora Armanda defendeu de forma severa uma escola de qualidade para todos sem discriminações sociais, religiosas, sexuais ou raciais.