Câmara rejeita veto sobre implantação de aterro sanitário

Em 29, maio, 2018
Câmara rejeita veto sobre implantação de aterro sanitário

A Câmara Municipal de Duque de Caxias rejeitou na sessão plenária desta terça-feira, dia 29, um veto da gestão passada a uma lei que dispõe sobre a implantação de aterro sanitário num raio de cinco quilômetros de residências, escolas, prédios públicos, hospitais e mananciais hídricos no Município.

“Esse projeto foi aprovado aqui e vetado pelo então prefeito Alexandre Cardoso. Livramos-nos de um câncer na Cidade, que era o aterro do Jardim Gramacho, e agora ouvimos o prefeito Marcelo Crivella falando que vai pleitear ao governo do Estado a reabertura do aterro para jogar o lixo do Rio de Janeiro aqui, isso é uma covardia com a população daquele bairro, que até hoje sofre as consequências daquele passivo”, disse o vereador Marcos Tavares (PSDC), afirmando que também vai ao Judiciário para impedir a ação de Crivella.

“O Crivella era um senador atuante, mas como prefeito tem tido atitudes que mostram que ele está despido da responsabilidade com a coisa pública. Ele quer resolver o problema do lixo dele aqui, quero repudiar o pensamento desse cidadão. Esse veto do antigo prefeito da nossa Cidade não teve o menor cuidado, a não ser desprestigiar o Legislativo”, ressaltou o vereador Gilberto Silva (PPS).

Destacando que a Câmara Municipal repudia o veto da antiga gestão, o presidente Sandro Lelis (PSL) concordou com os demais vereadores. “Nossa Cidade merece todo respeito e o Crivella tem que cuidar do lixo do Rio de Janeiro de outra forma.”

Aedes Aegypti – Os vereadores aproveitaram a sessão para cobrar das autoridades competentes ações de prevenção ao mosquito transmissor de doenças como dengue, zyca vírus e chikungunya. “Em 2016 tivemos vários casos de doenças e em 2017 a Cidade realizou ações que conseguiram reduzir os índices. Preocupa-nos perceber que neste ano ainda não tivemos nenhuma movimentação de ações preventivas. Se não tomarmos atitudes, poderemos ter uma nova epidemia”, alertou o vereador Junior Uios (PT).

“Ano passado, a coordenadoria responsável por endemias fez um belo trabalho, inclusive viabilizando indicações dessa Casa. Hoje o departamento se tornou superintendência e em vez de melhorar os atendimentos, houve piora. Vou solicitar audiência pública e requerer informações”, finalizou o vereador Marcos Tavares.