Câmara reúne sindicatos para debater sobre a Reduc

Em 05, julho, 2017
Câmara reúne sindicatos para debater sobre a Reduc

Falta de manutenção em equipamentos, redução de funcionários, sobrecarga de trabalho e riscos à população de Duque de Caxias foram apontados pelos sindicatos de funcionários efetivos e terceirizados da Reduc durante audiência pública realizada na Câmara Municipal nesta quarta-feira, dia 5.

Presidente do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro) de Duque de Caxias, Simão Zanardi afirmou que a Reduc tem 15 mil funcionários. “A Refinaria está sem manutenção e com poucos operadores, alguns trabalhando 16 horas por dia, a sobrecarga de trabalho é muito grande, esses fatos podem ocasionar graves acidentes.”

Representando os funcionários terceirizados, o presidente do Siticommm, Josimar Campos de Souza, conhecido como Mazinho, denunciou que a Petrobrás não investe no trabalhador. “Não há condições dignas de trabalho com o sucateamento que hoje a Refinaria vive. Têm acontecido muitos acidentes que são ocultados. Além disso, não existe investimento social da Petrobrás em Caxias, vivemos todos em uma bomba relógio.”

Se deixando à disposição da causa, o vereador Junior Uios (PT) disse que o debate se faz necessário. “Não estamos discutindo apenas uma classe e um segmento da sociedade, e sim a vida em Duque de Caxias. Vamos montar uma comissão para nos movimentar na Câmara e dar prosseguimento a essa discussão.”

Concordando com o colega, o vereador Gilberto Silva (PPS) ressaltou que é preciso tomar atitudes e ir às ruas em protesto. “Com essa redução de vagas, nossa juventude deixa de ter oportunidade de trabalho na Cidade.”

O vereador Valdecy (PP) falou sobre resistência. “Temos que lutar pelo patrimônio do nosso País e da nossa Cidade. Podem contar comigo.”

Morador de Campos Elíseos, Sebastião Braga fez um apelo. “A Reduc precisa fazer um estudo de impacto da saúde dos moradores, já que esses chegaram primeiro que a refinaria. Temos um dos maiores índices de leucemia da Baixada Fluminense, além de inúmeros casos de doenças respiratórias. A comunidade não tem para onde ir, assim como os bairros adjacentes, que estão sendo impactados por todas as empresas daquela região.”

Outra preocupação levantada na audiência foi sobre um plano de evacuação do local em caso emergencial. “A primeira coisa que fizemos quando assumimos foi procurar saber se a Reduc tem um plano de segurança emergencial. Tentamos contato e não conseguimos, para nós é uma caixa preta”, revelou o subsecretário municipal de Segurança Pública, Pedro Farias.

“A Polícia Rodoviária Federal também procurou saber sobre o plano de emergência, inclusive oficiamos a Reduc, mas não tivemos retorno. Não temos ideia de como seria uma situação de emergência de grande magnitude na refinaria. Estamos na fase de identificar os problemas, por isso peço a ajuda de todos para levantar informações. A PRF está ligada diretamente com a fluidez de saída de pessoas e chegada dos órgãos de socorro ao local”, reforçou o policial rodoviário federal Marcos Nunes.

Representando o 15º Batalhão de Polícia Militar, major Eduardo Costa também mostrou preocupação. “Colocamos o Batalhão à disposição dos senhores. Apoiamos todos os movimentos legais e a luta de vocês.”