Vereadores debatem falta de segurança no Arco Metropolitano

Em 16, maio, 2017
Vereadores debatem falta de segurança no Arco Metropolitano

Durante a sessão plenária da Câmara Municipal de Duque de Caxias desta terça-feira, dia 16, os vereadores abordaram, entre outros assuntos, a questão da falta de segurança no Arco Metropolitano. O Legislativo pretende realizar uma audiência pública para expor os pontos críticos a autoridades competentes e cobrar uma solução imediata.

“Gostaria de pedir uma audiência pública com urgência para atender não somente Duque de Caxias, mas toda Baixada Fluminense, porque percebemos que a reclamação sobre a falta de segurança no Arco Metropolitano é geral. Essa obra custou caro e não atende nem 20% da demanda que deveria, acabou virando um elefante branco para o Estado”, disse o vereador Chiquinho Grandão (PP).

“O Arco Metropolitano tem policiamento, mas não é suficiente. Vale lembrar que a Rodovia Dutra e a Avenida Brasil também têm problemas de violência”, ressaltou o vereador Beto Gabriel (PV).

Membro da Comissão de Segurança da Câmara, o vereador Valdecy (PP) informou que a comissão está propondo uma audiência para tratar das rodovias e o Arco Metropolitano está na pauta. “Essa preocupação é de todos nós. A Polícia Militar faz o patrulhamento no Arco sim, mas pela pouca quantidade de veículos que trafega, os marginais conseguem fechar os motoristas para assaltar.”

Líder do governo na Câmara, o vereador Nivan Almeida (PRP) sugeriu que também fossem convidados para a audiência pública os municípios de Magé e Itaboraí. “A obra do Arco foi paralisada em seu percurso devido à questão financeira do Estado. Hoje não está sendo bem aproveitado o Arco, mas as obras serão retomadas para que venha a dar os frutos que esperamos.”

Presidente da Câmara, o vereador Sandro Lelis (PSL) concordou com a necessidade de se realizar uma audiência pública com urgência e pediu que o requerimento fosse protocolado para agilizar o processo. “O Arco Metropolitano está realmente abandonado. Foi gasto muito dinheiro na obra, mas não se oferece segurança e conforto aos motoristas que trafegam pela rota. Falta uma estrutura adequada.”