Vereadores cobram saúde e segurança em sessão plenária

Em 26, fevereiro, 2019
Vereadores cobram saúde e segurança em sessão plenária

 

A Câmara Municipal de Duque de Caxias realizou sessão plenária nesta terça-feira, dia 26, quando vereadores aproveitaram para cobrar autoridades do Executivo sobre as necessidades da população em relação à saúde e segurança.

“Tivemos mais cedo nessa Casa audiência pública de prestação de contas da Secretaria de Saúde. Participei e reivindiquei ao secretário uma Unidade Básica de Saúde para o bairro Pantanal, que está abandonado e sem nenhum tipo de atendimento médico para oferecer à população. Sei do empenho do prefeito e do secretário por toda a Cidade, mas peço que olhem com mais carinho para o sonho dos 50 mil caxienses daquela região”, destacou o vereador Clovinho (PDT)

O parlamentar cobrou, ainda, educação, obras e segurança para o Pantanal e Vila Rosário. “Peço atenção da secretária de Educação, a quem já convidei para uma visita às escolas dos bairros, que estão sucateadas, mas que até agora não aconteceu. Sobre a segurança, já sinto uma melhora com o novo comando do coronel Melo, a quem aproveito para pedir ações pontuais naquela região, que também precisa muito de obras de saneamento e asfalto. O secretário Grillo vem realizando um trabalho de qualidade e peço que não se esqueça do Pantanal e Vila Rosário, que sofre com enchentes e buracos”, finalizou Clovinho.

O vereador Beto Gabriel (PV) aproveitou para passar uma informação ao colega. “Na sexta-feira aconteceu uma reunião do Conselho de Segurança Pública na Igreja Nova Vida e lá o comandante Melo tomou algumas providências nesse sentido.”

ORDEM DO DIA – Na pauta do dia estava para votação o Projeto de Decreto Legislativo da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal rejeitando o parecer prévio contrário do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro relativo ao exercício de 2016, de responsabilidade do prefeito Alexandre Cardoso.

“Essa Casa não pode se omitir de cumprir o seu papel, ela tem que assumir suas responsabilidades. O parecer contrário do TCE mostra que as irregularidades sob gestão do prefeito Alexandre Cardoso não feriram o erário. Extrapolar o limite prudencial com despesa de pessoal foi consequência do momento econômico difícil, um preocupante cenário em todo o país. Com todo respeito à Corte, a Comissão é favorável à aprovação das contas por entender que não houve dolo, má-fe ou improbidade administrativa”, explicou o vereador Gilberto Silva (PPS), presidente da Comissão.

Após um impasse sobre o entendimento da matéria durante a votação, os vereadores Cláudio Thomaz (Podemos), Clovinho (PDT) e Carlinhos da Barreira (PSDC) pediram anulação da sessão. A mesa acatou e a matéria volta à pauta numa próxima sessão.