Câmara realiza audiência para debater intervenção federal na Baixada

Em 09, julho, 2018
Câmara realiza audiência para debater intervenção federal na Baixada

A Câmara Municipal de Duque de Caxias reuniu autoridades políticas e policiais para debater a questão da violência e a intervenção federal na Baixada Fluminense. O evento aconteceu nesta segunda-feira, dia 9, e contou ainda com entrega de comendas a personalidades que lutam em prol da segurança pública.

“Agradeço a presença de todos nessa Casa, que é a casa do povo. Recebemos todos de braços abertos para debater um tema tão importante, que é a segurança pública e a questão da intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro. Nós, que somos moradores preocupados com a nossa Duque de Caxias, temos o papel importante de buscarmos o melhor para a população. A Cidade tem altos índices de violência, mas também tem uma polícia comprometida trabalhando para mudar essa realidade e nós temos que fazer a nossa parte”, disse o presidente da Câmara, vereador Sandro Lelis (PSL).

“É muito importante debatermos principalmente a intervenção federal, que me preocupa por ter acontecido sem planejamento, sem o orçamento necessário e não tem dado os resultados esperados. Os problemas são os mesmos há décadas e as soluções só aparecem em época de campanha eleitoral, mas logo desaparecem. Para mudar essa realidade é preciso diálogo, comprometimento e trabalho de inteligência”, ressaltou o vereador Marcos Tavares (PSDC).

Autora da proposta do evento, a vereadora Leide (PRB) afirmou que esse é o grito de socorro da Cidade para que ações efetivas de segurança realmente venham a acontecer. “Quero saber como está a questão da intervenção federal e como está a segurança hoje. Embora não seja de competência municipal, o que podemos fazer enquanto legisladores para nos mobilizar em relação à segurança? Estamos aqui para mostrar que não aguentamos mais e que essa Casa não vai se calar diante de nenhuma situação.”

Vice-presidente da Comissão de Segurança da Câmara, o vereador Valdecy Nunes (PP) fez uma observação a respeito da intervenção federal. “Quando as forças armadas irão atuar na Baixada Fluminense? Nós vemos acontecer apenas na cidade do Rio de Janeiro e a Baixada continua sem nenhum investimento para nos dar a tranquilidade de sair de casa. Acompanhamos estarrecidos tudo o que vem acontecendo na Baixada e nenhum planejamento é feito. Temos que pensar uma forma melhor de fazer segurança pública porque o modelo atual é ineficaz, estamos enxugando gelo. Muito me assusta que ninguém fale da rota de armas e munições, é preciso estudar a facilidade com que chegam ao nosso país, pois não conheço nenhuma comunidade que fabrique armas e munições. É preciso endurecer as leis e fazer com que sejam cumpridas, eu jogo essa responsabilidade ao Congresso.”

Concordando com a questão da rota de armas, o secretário municipal de políticas de segurança pública Robson André questionou: “Qual inquérito policial terminou com a prisão de traficante de armas? O problema da violência é muito difícil, pois quem usa fuzil não é um simples bandido, é terrorista. A polícia precisa transferir essa carga às forças armadas. Eu não acredito que apenas intervenções sociais nas comunidades vão atenuar os problemas de violência, isso não é suficiente. As nossas fronteiras estão abertas, Paraguai e Venezuela são os maiores fornecedores de armas, é preciso questionar os países vizinhos.”

Relator do decreto da intervenção federal no Rio de Janeiro, o senador Eduardo Lopes participou da audiência pública em Caxias. “Não abro mão de defender e lutar pelo nosso Estado, fui relator da intervenção e tenho cobrado de forma efetiva os resultados desse ato ao governo federal. No primeiro mês da intervenção os índices de violência pioraram, o Senado criou uma comissão externa para acompanhar a intervenção, nós queremos resultados. Participei de uma reunião com o gabinete do interventor, onde se falou de uma verba de R$ 1,2 bilhão e um mês depois esse dinheiro ainda não tinha sido destinado, 62 operações foram canceladas por falta de recursos.”

A deputada federal Rosângela Gomes também esteve presente na audiência e destacou que o momento é grave. “A violência não vai acabar apenas com polícia atrás de bandido, falar de segurança pública é falar também de disciplina. Precisamos combater violência com educação de qualidade, esporte, cultura, inclusão e emprego. A intervenção federal é fruto do clamor da bancada federal ao governo porque estávamos cansados de ser vítimas, sei que esse trabalho não vai resolver todos os problemas, mas o momento pedia isso. Não dá para policial enfrentar fuzil com revólver 38, viatura sucateada e salários atrasados.”

Membro do Conselho Comunitário de Segurança de Duque de Caxias, Osmar de Paiva reforçou a necessidade de intervenção social. “O nosso Município é jovem, tem crescimento acelerado e não tem emprego. Segurança sem intervenção social não se consegue nada. Se o dinheiro que está sendo empregado na intervenção federal fosse investido na nossa polícia militar daria muito mais resultado, pois temos a melhor polícia do país. Enviamos ofícios para saber quando a intervenção política vai chegar à Baixada e não tivemos respostas, vamos continuar cobrando.”

“O problema do nosso país é social, político, econômico e encontra ressonância nos nossos jovens. Nós temos várias ferramentas de mudança, educação é uma e política é outra. Não digo que essa intervenção não foi válida e não quero vê-la como ato político, prefiro acreditar que veio com objetivos positivos. Vamos seguir fiscalizando e cobrando”, destacou o vereador Beto Gabriel (PV).

“Essa é a terceira reunião que fazemos sobre segurança pública este ano nesta Casa, pois é sempre um debate importante. Mas, entendemos muito pouco da intervenção federal e vemos poucos resultados”, acrescentou o vereador Wendell (PCdoB).

A subcomandante do 15º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Daniele Neder, assegurou que toda tropa está combatendo a criminalidade. “Não existe um lugar que minha tropa não entre, mesmo com toda precariedade nós estamos nas ruas combatendo, mas talvez faltem políticas públicas, pois segurança não se faz sozinho, a responsabilidade é de todos.”