Câmara realiza audiência para debater condições da Saúde

Em 21, novembro, 2017
Câmara realiza audiência para debater condições da Saúde

Uma audiência pública para debater questões referentes às condições de trabalho nas unidades da rede municipal de Saúde foi realizada nesta terça-feira, dia 21, na Câmara de Vereadores de Duque de Caxias. O atraso salarial, a greve parcial de servidores e a falta de insumos foram alguns dos temas levantados no evento.

“Não há outra ferramenta de transformação na sociedade que não seja a política, por isso convocamos essa audiência, para cobrar e tirar nossas dúvidas com o poder Executivo. Lamentamos a ausência dos deputados que se omitem do exercício do mandato na nossa Cidade. Há um sucateamento dos equipamentos de Saúde e isso é fruto dos quatro últimos gestores, todos têm sua parcela de culpa”, disse o vereador Marcos Tavares (PSDC), propositor da audiência.

“Parabenizo o secretário de Saúde, que não fugiu ao debate e se fez presente. Não podemos mais ficar de braços atados, vendo o servidor ser humilhado, isso tem que acabar no nosso Município. Acredito ainda na justiça dos homens e, principalmente, na justiça de Deus”, afirmou o vereador Cláudio Thomaz (Podemos).

Agradecendo o empenho de todos os funcionários da rede municipal de Saúde, o secretário José Carlos ressaltou que está sempre aberto ao diálogo. “Assumi a pasta em 1º de janeiro com uma dívida de R$ 350 milhões e quatro folhas de pagamento atrasadas pelo antigo governo. Estou empenhado em resolver o problema, que está na lista de prioridade. Todo dinheiro que entra na Secretaria é depositado na conta do servidor. Estou fazendo um planejamento para que em 2018 o funcionário receba o salário no mesmo mês do trabalho, entre o dia 25 e 30. Temos 5% da rede municipal em greve e estamos abertos à negociação.”

Para negociar com o secretário, uma comissão formada por servidores e representantes de sindicato agendou uma reunião para quarta-feira, dia 22, às 7h na Secretaria de Saúde. “Queremos a presença dos vereadores para que sejam observadores das ações do governo. Nós estamos numa greve que não deveria durar tanto tempo. Não é só pela questão do dinheiro, é também pela falta de respeito com o trabalhador”, relatou a representante do Sindicato dos Técnicos e Auxiliares de Enfermagem e Associação dos Servidores, Márcia Carvalho.

De acordo com o conselheiro municipal de Saúde Antônio Pereira dos Santos, uma proposta de parcelamento dos salários atrasados foi apresentada ao governo, que recusou. “Pretendemos entrar num entendimento para acabar com a greve, pois entendemos a situação do usuário, mas trabalhar sem salário é desumano. Aproveito para parabenizar essa Câmara pela abertura ao diálogo, isso é importante para buscar soluções.”

Presente na audiência, a deputada enfermeira Rejane (PCdoB) ouviu todas as reivindicações e fez propostas. “A área da Saúde não está deslocada, trabalhamos em rede e precisamos de um debate mais aprofundado. Façam um grupo de trabalho para elaborar relatórios de toda situação. Disponibilizo-me, junto com os vereadores, a fiscalizar o almoxarifado da Saúde para atestar os relatos de falta de insumos.”

Líder do governo na Casa, o vereador Nivan Almeida (PRP) adiantou que, para o orçamento municipal de 2018, está prevista uma verba de pouco mais de R$ 763 milhões para a Saúde do Município. “O governo vai investir mais do que os 15% previstos na Constituição. Cabe a nós fiscalizar a aplicação desse dinheiro.”