Vereadores pedem que professores voltem às salas de aula

Em 22, junho, 2017
Vereadores pedem que professores voltem às salas de aula

Educação foi tema predominante na sessão da Câmara Municipal de Duque de Caxias desta quinta-feira, dia 22, quando professores da rede municipal foram à Casa de Leis reivindicar reajuste salarial. Os vereadores concordaram que a luta é justa, se colocaram à disposição para ajudar nas negociações junto ao prefeito, mas pediram que os educadores voltem às salas de aula para não prejudicar os alunos da Cidade.

“Quem está pagando a conta desse impasse é o aluno. Precisamos caminhar juntos em busca de solução sem deixar em prejuízo nossas crianças”, defendeu o vereador Beto Gabriel (PV).

“Entendo o problema dos professores, tenho acompanhado as reuniões que o prefeito tem feito, pois ele está preocupado, mas a arrecadação da Cidade está em queda e não há possibilidade de pagar o reajuste de 7% agora. Se o fizer, estará comprometendo a saúde da Cidade. O governo tem sido transparente e tem tirado dinheiro de obras e de outras secretarias para honrar o pagamento da folha”, disse o vereador Junior Reis (PMDB).

Presidente da Comissão de Educação da Câmara, a vereadora Deise do Seu Dino (PTC) se comprometeu em ajudar nas negociações. “O prefeito tem se esforçado para colocar as contas em dia. Sei que existem outras exigências, além do reajuste salarial, e estamos aí para ajudar.”

“A arrecadação da Cidade está sendo menor que o previsto, a crise é geral e o prefeito não tem como repassar esse reajuste no momento, pois está colocando a casa em ordem. Peço aos professores um pouco de compreensão, já que o prefeito está colocando os salários do governo passado em dia sem deixar de cumprir com os pagamentos correntes”, destacou a vereadora Delza de Oliveira (PRP).

“Vejo esforço do prefeito em colocar a cidade em ordem e, por isso, proponho dividirmos a pauta de reivindicações, já que o país está em crise e a arrecadação está prejudicada. Hoje, o prefeito não tem condições de negociar a pauta remuneratória, mas podemos discutir uma pauta não remuneratória em busca da melhoria do ensino para nossos alunos. Proponho a criação de uma comissão parlamentar para discutirmos a situação” sugeriu o vereador Arthur Monteiro (Avante).

Concordando com o colega, o vereador Gilberto Silva (PPS) pediu que a formação da comissão seja feita de forma acelerada. “Podemos intermediar de forma direta essa negociação, ainda que venhamos a atender em parte as reivindicações.”

O vereador Chiquinho Grandão (PP) propôs a realização de audiência pública para debater a educação da Cidade. “Precisamos entender porque nosso Ideb é um dos piores, se o salário é um dos melhores do Estado. O Sepe sempre lutou e conquistou melhorias para a categoria, mas hoje o momento é outro. Tem hora que dá para pressionar, mas os números mostram que a realidade agora é outra. É tempo de recuar, não dá para buscar reivindicações com os mesmos argumentos sempre.”

Reconhecendo o esforço do prefeito em buscar o melhor para a Cidade, o vereador Marcos Tavares (PSDC) deu sua opinião sobre a crise na educação. “A fragilidade da secretária de educação é responsável por essa situação, pois ela deveria tomar a frente nessa negociação e no entendimento com o prefeito e com os professores. É preciso estabelecer um diálogo e o prefeito já demonstrou no seu governo passado que respeita o funcionalismo.”

Líder do governo na Câmara, o vereador Nivan Almeida (PRP) falou de números. “A arrecadação do mês de junho até o dia 19 foi de R$ 79 milhões, sendo que o previsto na peça orçamentária era R$ 147 milhões. Hoje, a folha de pagamento mensal da educação é R$ 33 milhões. A folha de pagamento mensal total do funcionalismo ultrapassa os R$ 80 milhões. O comprometimento do prefeito tem sido grande, precisamos chegar a um entendimento, pois o Município precisa dos professores. Peço ao Sepe que paralise essa greve e continue as negociações com os professores já em sala de aula.”

Presidente da Câmara, o vereador Sandro Lelis (PSL) confirmou a criação de uma comissão parlamentar para discutir a pauta de reivindicações com o prefeito. “Toda essa Casa se une aos professores para solucionar esse problema, vamos formar uma comissão de sete vereadores e teremos um bom entendimento com o prefeito, que não pode ser culpado pela má gestão do governo anterior. Peço aos professores que retornem às salas de aula, pois não é justo que nossas crianças fiquem sem estudar.”