Vereadores debatem crise política e defendem reforma tributária

Em 18, maio, 2017
Vereadores debatem crise política e defendem reforma tributária

Os últimos acontecimentos da política nacional foram debatidos na sessão plenária da Câmara Municipal de Duque de Caxias nesta quinta-feira, dia 18, quando os vereadores defenderam que é preciso haver reforma política e tributária no País para inibir a corrupção.

“O momento do País é de caos e as pessoas estão cada vez mais desacreditadas da política. É preciso conscientização e fiscalização mais efetiva para que possamos mudar esse quadro”, opinou o vereador Marcos Tavares (PSDC).

“Resta-nos o acalento de que o País vem sofrendo uma modificação. Nunca imaginei que pudesse ver um ex-governador preso e réu em várias ações, assim como um ex-presidente da Câmara Federal e tantos outros poderosos. Quando imaginaríamos ver um presidente da República no exercício do cargo sendo alvo de delação com acusações de alto nível? Isso significa que o País está mudando”, disse o vereador Gilberto Silva (PPS).

Afirmando que o pano de fundo da crise são as benesses a empresários, o vereador Arthur Monteiro (PTdoB) explicou: “O que está ficando escancarado na República é que muitos políticos estão aí não para fazer o bem à população e sim fazer lobby a empresários. A política está entrando em outro patamar e essa Casa tem o dever de fiscalizar e ajudar nossa Cidade.”

O vereador Valdecy (PP) ressaltou que o momento atual é um marco histórico. “Tenho certeza de que esses fatos mudarão os rumos desse País. Essas operações vêm em borá hora, pois não aguentamos mais viver com essa corrupção.”

“Deveríamos estar discutindo no cenário nacional as reformas tributária e política, para que talvez cheguem ao poder aqueles que realmente elegemos e não aqueles que têm respaldo econômico”, destacou o vereador Nivan Almeida (PRP).

Reforçando que a reforma tributária garantiria autonomia aos municípios, o vereador Arthur Monteiro completou: “Não há interesse na reforma tributária porque os recursos são concentrados na União. Os presidentes querem os municípios com o pires na mão.”